seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Taxas de juros ‘menores’ obrigam a esforço maior por aposentadoria melhor

No início de 2012 com a Selic a 11%, para se ter R$ 5 mil de renda mensal era necessário poupar R$ 3,1 mil por mês; hoje é preciso guardar R$ 6 mil

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2013 | 02h10

O cenário de juro baixo está obrigando o brasileiro a fazer um esforço bem maior para construir o mesmo patrimônio da época da Selic elevada.

Não é preciso voltar muito no tempo para mensurar essa mudança de cenário. No início de janeiro do ano passado, com a taxa básica de juros a 11% ao ano, o investidor que desejava R$ 5 mil na aposentadoria teria de fazer uma economia de mensal de pouco mais de R$ 3,1 mil, mostra uma simulação feita pela Taler, empresa de gestão de patrimônio. Hoje, com os juros a 7,25% ao ano, a poupança mensal para atingir os mesmos R$ 5 mil é de R$ 6.038.

Para o investidor que busca uma renda maior na aposentadoria, de R$ 8 mil por mês, o valor mensal a ser economizado também quase dobra. Na época dos juros a 11% ao ano, a quantia a ser economizada por mês era de R$ 5,1mil. Com a Selic a 7,25% ao ano, o esforço mensal terá de ser de R$ 9.661 (leia mais ao lado).

Nas duas simulações realizadas, levou-se em conta uma inflação de 6% ao ano, Imposto de Renda (IR) de 15%, e dois prazos: de 20 anos para o início da aposentadoria e de 25 anos para o esgotamento do recurso aplicado.

"Num cenário com juros de 7,25% e uma inflação de 6%, o investidor vai ter que aceitar maior risco e volatilidade", afirma Antonio Ferraz, associado da Taler e coautor do cálculo. O levantamento também teve a participação de Paulo Colaferro, sócio-diretor da companhia. "Essa nova realidade, em termos de diversificação financeira, significa mais em aplicações multimercados e renda variável", afirma Ferraz.

É pouco provável que as variáveis econômicas, como inflação e juros não sofram qualquer mínima alteração no prazo proposto para a simulação de 20 anos, mas o estudo indica como o brasileiro tem de mudar a sua carteira de investimento e buscar novas opções se quiser formar um patrimônio interessante num cenário de juro baixo. Hoje, por exemplo, a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), está em 6,58% nos últimos 12 meses encerrados em março, e parte do mercado acredita que o Banco Central pode elevar a taxa básica de juros na quarta-feira, quando se encerra a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

Mais formiga, menos cigarra. Essa transformação do cenário de investimento obriga o brasileiro a ser mais disciplinado, avalia o educador financeiro Mauro Calil. "Faço uma analogia com as fábulas. Antes, existia muita cigarra e pouca formiga. Agora, o investidor tem que ter um comportamento de formiga, de todo dia acumular um pouquinho. No final de um período grande, com certeza vai se dar bem", afirma.

Antes, ele diz, o brasileiro tinha o conforto de não fazer nada e conseguir um rendimento de 1% nas aplicações ao mês. Vale lembrar que a Selic chegou a 26% ao ano em junho de 2003. "No passado, era muito mais fácil, o investidor chegava para o gerente do banco, pergunta o que rendia mais e virava as costas. Não dá mais para fazer isso."

Por isso, quanto antes o brasileiro começar a poupar pensando no patrimônio da aposentadoria, melhor. "Qualquer plano de formação de patrimônio tem que ter no mínimo 10 anos, mas o ideal para ter uma renda bastante boa é a partir de 20 anos", afirma Calil. Na avaliação dele, também vai ser necessário uma diversificação de investimento. E esse mix no portfólio do investidor terá de ser composto por renda fixa, renda variável e imóveis. "Os imóveis podem estar representados por meio dos fundos imobiliários, não é preciso necessariamente comprar um imóvel ou empreender imobiliariamente", afirma Calil.

Importância. Apesar da realidade de juro baixo, o educador financeiro ainda diz que o investidor brasileiro procura uma "dica mágica" para ter ganho nas aplicações. "As pessoas já entendem que a renda fixa tradicional não está trazendo nenhum ganho. Elas procuram uma dica mágica, mas precisam é mudar o próprio comportamento", diz. "É preciso aprender sobre a sofisticação dos investimentos e esse é um conhecimento para qualquer um."

1.Organização. O investidor deve buscar ser organizado e disciplinado. As reservas para a aposentadoria devem ser economizadas todos os meses, sempre que possível.

2. Diversificação. A queda dos juros obriga o brasileiro a diversificar. No portfólio de investimento, devem estar aplicações em renda fixa, variável e nos imóveis. No caso do setor imobiliário, os fundos imobiliários podem ser uma opção de investimento.

3. Comece cedo. Se possível, pense no seu patrimônio para a aposentadoria o mais cedo que puder. Um bom plano de aposentadoria pode ser elaborado em 20 anos.

4. Risco. O maior prazo para elaborar o patrimônio também faz com que o investidor corra menos risco. Se deixar para o final da vida profissional, é sempre maior a necessidade de apostar em ativos mais arriscado para chegar ao objetivo de renda mensal proposto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.