Taxas de juros muito baixas deveriam deixar o Fed nervoso, diz Plosser

As taxas de juros perto de zero nos Estados Unidos estão muito baixas e deveriam deixar o Federal Reserve, o banco central do país, nervoso disse um de seus principais diretores, Charles Plosser, nesta terça-feira.

REUTERS

11 de novembro de 2014 | 18h22

Plosser afirmou em uma entrevista à emissora CNBC que, apesar de a inflação estar abaixo da meta do Fed de 2 por cento, não há nenhuma razão para manter as taxas de juros nos níveis semelhantes ao de período de crise, principalmente com o desemprego tão baixo.

"Há muitos indicadores que nos dizem que as taxas estão muito baixas", disse Plosser. "Estamos com a taxa zero por quase seis anos e não há precedentes na história, mesmo quando a inflação é muito baixa, de ter juros em zero quando as taxas de desemprego são tão baixas como estão atualmente", acrescentou.

"Estamos realmente nos comportando de uma maneira fora das normas históricas e isso deveria nos deixar nervosos."

Plosser, que deve deixar a presidência do Fed de Filadélfia em março, está entre a minoria dos diretores do Fed que quer encerrar a fase de política monetária expansionista antes do meio do próximo ano, que é quando a maioria de seus colegas vê um aumento nas taxas de juros.

Plosser minimizou o nervosismo recente nos mercados financeiros com a perspectiva de um aumento dos juros e o potencial impacto negativo na economia dos EUA a partir de uma alta do dólar.

"Pode haver algumas reverberações de um dólar mais alto em algumas empresas e na economia dos EUA, mas eu acho que vai ser relativamente pequeno", disse Plosser. "Nós não deveríamos estar respondendo a todas as pequenas oscilações dos mercados financeiros", disse.

"Nosso trabalho não é para suprimir a volatilidade do dólar, nem para reprimir o ajuste dos preços dos ativos. Precisamos manter nossos olhos focados em nossos objetivos de longo prazo."

(Por Marc Jones e Jamie McGeever)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFEDPLOSSER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.