Taxas muito elevadas reduzem efeito da Selic para consumidor

A Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) considerou a alta dos juros decidida pelo BC "inoportuna, desnecessária e equivocada", já que o efeito sobre os juros ao consumidor serão pequenos, dado que as taxas estão em um patamar extremamente elevado.Para se ter uma idéia, enquanto os juros básicos anuais estão em 16,75%, a taxa média para a pessoa física está em 142,20% ao ano. ?A diferença entre as duas pontas do juros passa de 770%?, afirma o vice-presidente da Associação, Miguel José Ribeiro de Oliveira. Para demonstrar o pequeno impacto que a alta da Selic trará para os juros ao consumidor, a Anefac divulgou um estudo em que simula tais alterações. Veja na tabela abaixo como ficarão os juros ao consumidor, de acordo com a Associação: Linha de créditoTaxas (Selic em 16,25%)Taxas (Selic em 16,75%) MensalAnualMensalAnualComércio6,00%101,22%6,04%102,13%Cartão de crédito10,00%213,84%10,04%215,22%Cheque especial8,28%159,76%8,32%160,92%CDC Bancos 3,52%51,46%3,56%52,16%Empréstimo pessoal bancos5,92%99,40%5,96%100,31%Empréstimo pessoal financeiras12,15%295,91%12,19%297,60%Taxa média7,65%142,20%7,69%143,28%Oliveira lembra que a alta dos juros piora a competitividade das empresas brasileiras no exterior, aumenta os custos de produção, reduz os investimentos produtivos, piora os índices de inadimplência e reduz o crescimento econômico.Definição dos jurosA definição da taxa de juros toma por base o comportamento da inflação. De forma simplificada, isso significa que, para manter os preços controlados, o Banco Central eleva as taxas e, desta forma, inibe o consumo, reduzindo a pressão de alta sobre os preços. A alta da Selic tenderia a tornar os juros mais elevados para o consumidor, o que diminui a possibilidade de "inflação de demanda" - aumento da procura pressiona para cima os preços. O patamar de inflação que baliza as decisões do Comitê é a meta de inflação, que este ano é de 5,5%, com margem de variação de 2,5 pontos porcentuais para cima ou para baixo. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é usado como referência para a meta de inflação. No acumulado deste ano, até setembro, o IPCA praticamente já atingiu o centro da meta, em 5,49%. A pesquisa do BC revelou que a previsão para analistas é de que o IPCA acumulará em 2004 uma alta de 7,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.