TCU cobra do BNDES agenda de devolução

TCU cobra do BNDES agenda de devolução

Área técnica do TCU quer um cronograma detalhado de pagamento à União, conforme dinheiro de empréstimos for retomado ao banco

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2017 | 05h00

BRASÍLIA - Enquanto trava uma intensa queda de braço com o Tesouro Nacional para evitar a devolução de R$ 130 bilhões em 2018, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pode ser obrigado a restituir mais dinheiro nos próximos anos aos cofres da União. A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) quer que o Ministério da Fazenda e o banco acertem um cronograma detalhado de antecipação do pagamento de novas parcelas, conforme o dinheiro dos empréstimos concedidos a empresas for retornando aos cofres da instituição, segundo documento obtido pelo ‘Estadão/Broadcast’. 

Os empréstimos do Tesouro ao BNDES marcaram a política econômica dos governos Lula e Dilma e serviram para bancar o financiamento de empresas com juros mais baratos e taxas subsidiadas. O parecer técnico determina um prazo de 30 dias para que o cronograma seja fechado. Os técnicos também recomendam que o governo se abstenha de fazer novas emissões desse tipo sem autorização prevista no Orçamento. Os auditores consideraram as emissões uma espécie de “orçamento paralelo” feito à margem do Congresso. Entre 2007 e 2016, os subsídios dos empréstimos ao BNDES custaram R$ 139,8 bilhões, aponta o TCU.

A sugestão da área técnica da corte de contas ainda terá de ser ratificada pelos ministro relator, Aroldo Cedraz, e pelo plenário, mas é um balde de água fria nas expectativas dos executivos do BNDES, que resistem a devolver mais recursos de forma antecipada à União justamente num momento da recuperação da economia. O argumento é que a retomada dos investimentos vai exigir do banco de fomento capacidade para fornecer crédito às empresas.

O governo injetou mais de R$ 500 bilhões no BNDES entre 2008 e 2014 por meio da emissão direta de títulos da dívida pública, com o objetivo de tornar o banco mais potente na concessão de crédito barato às empresas. Só que essas operações foram consideradas irregulares pelo TCU, que agora sugere o cronograma de devolução.

Prazo. Sem esse calendário, o BNDES teria até 2060 para liquidar os contratos, de acordo com as regras originais. Mas os auditores do TCU sugerem a fixação do prazo, a partir do julgamento, para que o cronograma seja montado. O objetivo é “viabilizar a redução, o quanto antes possível, do saldo da dívida pública mobiliária federal e do impacto que as despesas com subsídios implícitos e explícitos a tais operações de crédito acarretam no resultado fiscal da União e na condução da política econômica”.

Na área econômica, havia a expectativa pela recomendação de um cronograma, decisão considerada “muito boa” para as negociações em curso. A devolução se transformou num embate ainda sem solução entre a equipe econômica e comando do banco. Para os técnicos, o parecer reforça a devolução.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, o BNDES já ameaçou recorrer ao próprio TCU e acionar medidas de governança para justificar a impossibilidade de antecipar os recursos solicitados este ano pelo governo, sob o risco de comprometer suas obrigações, sua liquidez e sua missão institucional como banco de fomento. Um processo, sob a relatoria do ministro Vital do Rêgo, foi instaurado para acompanhar as discussões do pedido em questão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.