TCU investiga empréstimos do BNDES à AES

O Tribunal de Contas da União (TCU) fará uma inspeção nas operações de crédito concedidas pelo BNDES à empresa norte-americana AES, controladora da Eletropaulo. O objetivo será avaliar a regularidade de dois empréstimos concedidos à AES, considerando todos os aspectos técnicos e normativos envolvidos, sobretudo a suficiência das garantias oferecidas ao banco. A abertura da inspeção foi aprovada hoje pelo plenário do TCU, a partir de requerimento apresentado pelo ministro Augusto Sherman Cavalcante.Em seu requerimento, Cavalcante cita o fato de a AES, de acordo com reportagens publicadas em jornais e revistas, ter se declarado em calote técnico e, com isso, deixado de pagar parcelas de empréstimos tomados do BNDES, acumulando uma dívida de US$ 1,2 bilhão. Caso o BNDES decidisse executar as garantias para obter o pagamento da dívida, afirma o ministro, a instituição ficaria com um prejuízo de quase US$ 1 bilhão. É que tais garantias estão avaliadas em apenas US$ 300 milhões.O primeiro empréstimo concedido pelo BNDES à AES foi contratado em abril de 1998, na privatização da Eletropaulo. O segundo empréstimo foi concedido em 2000 para que a AES comprasse as ações preferenciais da Eletropaulo. O ministro sustenta que a AES, apesar de estar inadimplente com o BNDES e ter renegociado a dívida, distribuiu US$ 318 milhões em dividendos, dos quais, US$ 217 milhões foram remetidos ao exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.