Técnicos entendem desconfiança nos índices de inflação

Até mesmo o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), Heron do Carmo, admite que ficaria perplexo se fosse questionado como consumidor se realmente sentiu a deflação dos preços em seu bolso. "Eu entendo perfeitamente a posição do consumidor de questionar a validade dos índices no seu dia-a-dia. É natural. Como consumidor eu sinto a mesma coisa." Uma enquete realizada pelo Portal do Estadão com leitores de todo o País revelou esta semana que o brasileiro desconfia do resultado dos índices que apontam variação negativa dos preços. A explicação de Heron para esse descolamento entre o que os índices de custo de vida dizem e os preços dos produtos e serviços consumidos no dia-a-dia é que hoje o País vive ainda um processo inflacionário. Isso significa que os preços continuam se movimentando, uns sobem outros caem e, na média, registraram variação negativa de 0,16% no mês passado. Para chegar a essa média, a Fipe coleta preços de 525 itens com mais de 2 mil especificações. ?É uma medida complexa", diz Heron. Ele ressalta que nenhum consumidor compra todos esses bens e serviços cotados no IPC-Fipe. Por isso a inflação de cada um difere da média apontada pelo índice geral de preços. Consumidor lembra de preços que subiram Outro argumento usado pelo economista para explicar essa discrepância é que a percepção do consumidor está voltada para os preços que subiram. São exatamente esses que ficam retidos na memória mais recente. O preço do tomate, da gasolina e do álcool caíram, mas ninguém lembra, diz ele. Segundo Heron, a indignação do consumidor deve ser com "a doença que provocou a febre nos preço, não com o termômetro (o índice), que não é tão ruim assim". O coordenador do IPC-Fipe diz que a arma do consumidor é não comprar para forçar a queda dos preços que subiram. Ele mesmo conta que já substituiu em suas compras de supermercado a sua marca preferida de sabão em pó e de pão de fôrma na expectativa de que o preço desses itens tenha algum recuo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.