Telecons e setor de remédios puxam ações europeias para baixo

As bolsas de valores da Europa fecharam em baixa pela quarta sessão seguida nesta quarta-feira, quando setores conservadores como o de telecom e o de remédios sofreram quedas e bancos continuaram sob pressão com preocupações persistentes sobre a saúde do sistema financeiro. O índice FTSEurofirst 300, composto pelas principais ações europeias, fechou preliminarmente em queda de 0,5 por cento, a 716 pontos, o quarto dia seguido em que o mercado supera os mais baixos níveis de fechamento em seis anos. O índice caiu mais de 14 por cento este ano, depois de despencar 45 por cento em 2008. As ações financeiras estiveram divididas, com os papéis de bancos do Reino Unido em média mais valorizados com notícias de que o Tesouro Britânico e principais bancos estão forçando detalhes finais de um plano para limitar prejuízos de concedentes de empréstimos em cerca de 728 bilhões de dólares de ativos de risco. As ações do Barclays subiram 7,5 por cento, as do Lloyds avançaram 6,5 por cento e os papéis do Royal Bank of Scotland fecharam em alta de 4,5 por cento, mas as ações do AXA caíram 3,8 por cento, as do Swedbank perderam 5,5 por cento e os papéis do KBC Groep deslizaram 4,3 por cento. "Nós estamos dando muito menos ênfase aos bancos porque suas exposições a vários tipos de risco estão muito altas", disse Romain Boscher, chefe de gerência de fundos na Groupama Asset Management. (Reportagem de Atul Prakash)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.