Telefónica e Dow Jones derrubam bolsa

A sexta-feira foi marcada pela queda expressiva das ações de telefonia e siderurgia, apesar da alta nas ações das elétricas, e do índice Dow Jones - que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bolsa de Nova Iorque.O grande responsável pelo resultado negativo de hoje, segundo um analista, foram as ações da Telesp, que puxaram os demais papéis do setor. As ações preferenciais (PN, sem direito a voto) se desvalorizaram em 5,96%, as ordinárias (ON, com direito a voto) caíram 4,07%. Isso se deveu à forte queda, em Madri, das ações da Telefónica (-5,47%), em resposta a um artigo publicado hoje no jornal "El Mundo", segundo o qual o chairman da empresa, Juan Villalonga, estaria se beneficiando de informações sigilosas para especular no mercado de opções. Assim, das oito maiores quedas de hoje, cinco são do setor, puxadas pela Telesp.Houve forte recuo, também, nas ações de siderurgia, acompanhando tendência de queda do setor no mundo inteiro, com as principais quedas registradas nas ações da Siderúrgica Nacional ON (-5,96%) e Siderúrgica de Tubarão PN (-4,58). A elevação nas ações do setor elétrico não foi suficiente para compensar as demais perdas. As altas foram: Eletrobrás ON (3,26%), Celesc PNB (3,17%) e Cesp ON (2,41%)O índice Dow Jones da bolsa de Nova Iorque fechou em queda de 2,48%. Esse cenário deve-se à expectativa geral de desaceleração da economia americana, promovida pela política de aumento de juros do FED em vigor desde junho do ano passado (de 4,75% para 6,5%).Embora haja indícios de que essa desaceleração ocorra de maneira gradual, há um certo nervosismo entre os operadores, forçando oscilações como a de hoje, que afetaram principalmente os setores mais sensíveis ao desempenho geral da economia, como bancos e setores cíclicos. A Nasdaq, bolsa eletrônica que negocia ações de empresas de tecnologia e informática, andou na contramão e fechou com alta de 0,39%.A queda do Dow Jones afetou a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que fechou em queda de 0,82%, e puxando os indicadores das bolsas na América Latina, que revelaram queda de 1,69% na Cidade do México e 3,02% em Buenos Aires. A expectativa, para a semana que vem, é em relação ao desempenho do Dow Jones e ao resultado da reunião de terça-feira do Copom, que definirá a taxa de juros no Brasil.Veja na seqüência como fechou o dia no mercado de juros e câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.