Telefônica instala caixa postal sem permissão

O serviço de caixa postal da empresa Telefônica, de São Paulo, continua sendo alvo de constantes reclamações por parte dos associados do Idec. Isso acontece porque a prestadora comete uma série de irregularidades durante e depois do processo de implantação de sua secretária eletrônica digital. Na maioria das vezes, a empresa começa a fornecer o serviço gratuitamente sem consultar o consumidor. O Código de Defesa do Consumidor estabelece que a oferta de um serviço, mesmo sendo gratuito, sem o consentimento do usuário é ilegal.De acordo com as queixas dos associados do Idec, além da surpresa da instalação da caixa postal (às vezes, a empresa só comunica o consumidor por telefone, enquanto deveria informá-lo por escrito), o mais difícil é desativar o serviço. Esse procedimento é acompanhado de muita burocracia; somente o proprietário da linha pode solicitar o cancelamento da caixa postal, indicando o número de seu CPF e RG.A empresa também não informa corretamente o consumidor acerca do funcionamento deste serviço. Ao acessar a caixa postal para ouvir as mensagens, por exemplo, o usuário nem sempre se dá conta de que está pagando pela ligação. Além disso, quando uma chamada é desviada para a secretária eletrônica, ao invés de se ouvir o sinal de ocupado, ouve-se a gravação e paga-se mais uma ligação à Telefônica. O ideal é que ambos fossem avisados claramente sobre esses gastos, a exemplo do que é feito somente pelas prestadoras de telefonia celular. Além do custo com a ligação, o uso deste serviço não deve acarretar em nenhum gasto para o consumidor. Portanto, o assinante deve verificar se existe algum débito em sua conta telefônica relacionado à secretária eletrônica.O consumidor lesado pelo serviço deve enviar uma carta de reclamação à Telefônica, com cópias para a Anatel e para os órgãos de defesa do consumidor, como o Procon e o próprio Idec. O telefone de atendimento da Anatel para maiores informações é 0800-33-2001. Já para entrar em contato com a Telefônica, deve-se ligar para 104, seguido dos três primeiros dígitos do seu telefone.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.