Telefónica terá de explicar à CMVM comentário sobre oferta hostil

Órgão regulador português quer esclarecer as circunstâncias que justificariam  o uso da modalidade

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

26 de maio de 2010 | 09h28

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) de Portugal pediu que a empresa espanhola Telefónica esclarecesse os comentários feitos pelo diretor financeiro da empresa espanhola, Santiago Fernández Valbuena, ao jornal britânico Financial Times, sobre a possibilidade de a companhia partir para uma oferta hostil pelos ativos de telefonia celular da Portugal Telecom no Brasil. A Telefónica já possui 10% de participação na PT.

Segundo reportagem do jornal, Valbuena afirmou que a Telefónica não descarta a possibilidade de fazer uma oferta hostil à Portugal Telecom, se não puder persuadir o seu parceiro português a vender a sua fatia de 50% na Brasilcel, joint venture pela qual as companhias controlam a operadora brasileira de telefonia móvel Vivo. "Nós nunca dissemos que nunca seríamos hostis", teria afirmado Valbuena, em entrevista ao jornal.

O órgão regulador do setor financeiro português afirmou, em comunicado, que pediu para a Telefónica esclarecer as circunstâncias que justificariam o lançamento da oferta hostil. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
telefónicacmvmoferta hostil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.