Telefónica troca US$ 1 bi em ações com a China Unicom

Empresa amplia presença na China

Agências internacionais, MADRID, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2009 | 00h00

A Telefónica anunciou ontem que alcançou um acordo com a China Unicom, em que as empresas irão trocar US$ 1 bilhão em ações, como parte de uma aliança estratégica. A empresa espanhola informou, em comunicado, que irá aumentar sua participação na operadora chinesa de 5,4% para cerca de 8,06%, e que a participação da Unicom em seu capital ficará entre 0,885% e 0,892%.

O aumento da participação da Telefónica na Unicom torna a empresa espanhola o maior investidor individual na operadora chinesa. O acordo determina que a Telefónica irá comprar 693,9 milhões de novas ações da Unicom por 11,17 dólares de Hong Kong cada. A China Unicom ficará com 40,7 milhões de ações da Telefónica, a 17,24 cada. Na sexta-feira, os papéis da operadora espanhola fecharam cotados a 17,38, com alta de 1,02%.

As empresas irão cooperar em áreas como compras de equipamentos e infraestrutura, plataformas de serviços móveis, pesquisa e desenvolvimento, e oferta de serviços para clientes multinacionais, segundo os termos do acordo, assinado ontem em Pequim pelos presidentes dos conselhos da Telefónica, César Alierta, e da China Unicom, Chang Xiaobing.

A Telefónica informou que as empresas vão pagar uma a outra pelas novas ações em dinheiro, ou a Telefónica irá pagar pelas novas ações na Unicom com ações que foram recompradas pela companhia. As duas empresas concordaram em não emitir, oferecer ou vender um número importante de ações para qualquer um de seus principais competidores, ou fazer investimentos grandes em empresas que são rivais.

Juntas, as duas empresas têm cerca de 550 milhões de clientes. "Estamos totalmente comprometidos com a aliança e iremos explorar as sinergias oferecidas por essa cooperação de grande alcance, para beneficiar tanto nossos acionistas quanto nossos clientes", afirmou Alierta, em comunicado.

A China Unicom e a Telefónica operam redes de telefonia fixa e móvel, incluindo redes celulares WCDMA, a tecnologia dominante da terceira geração (3G). "Acreditamos que a parceria irá melhorar nossas capacidades de oferecer serviços amplos de telecomunicações e aplicações de informação, e maximizar o retorno aos acionistas, nos tornando maiores e mais diversificados para que continuemos a competir globalmente", disse Xiaobing.

O preço das ações utilizados no acordo foram calculados a partir da média do fechamento dos papéis num período de 30 dias encerrado em 28 de agosto. A Telefónica investe no mercado chinês desde 2005, quando comprou 2,99% de participação, posteriormente elevada para 5,4%, na China Netcom, empresa que se uniu à China Unicom em 2008.

A China Unicom é a menor operadora móvel chinesa, com 140 milhões de assinantes. Ela compete com a China Mobile e com a China Telecom. Em maio, a China tinha 687 milhões de usuários de telefonia celular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.