Telefônica/Vivo mantém planos de investir R$ 24,3 bi até 2014

‘A sociedade tem que ter consciência de que as empresas estão fazendo esforços, mas é preciso que municipalidades se alinhem nessa empreitada’ afirmou presidente da Vivo

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

26 de julho de 2012 | 14h00

BRASÍLIA - Para cumprir os requisitos de qualidade exigidos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Vivo não pretende aumentar os investimentos previstos até 2014 e cobra do governo um maior auxílio para a mudança de legislações municipais que impedem as operadoras de telefonia celular de construírem mais antenas de transmissão.

"O tráfego de dados tem crescido muito por conta de novas aplicações de vídeos e uso de redes sociais. A sociedade tem que ter consciência de que as empresas estão fazendo esforços, mas é preciso que municipalidades se alinhem nessa empreitada para que a qualidade seja melhorada", afirmou o presidente da Vivo, Antônio Carlos Valente. Segundo ele, as companhias já usam "intensamente" o compartilhamento de infraestrutura, mas ainda é preciso ampliar o número de torres e estações rádio base (ERBs) para a melhoria dos serviços prestados.

Após reunião na Anatel, Valente afirmou que a Vivo irá manter os investimentos de R$ 24,3 bilhões planejados para o quadriênio 2011-2014. "Esse dimensionamento foi feito no início do ano passado e estamos seguindo esses valores de uma maneira muito precisa. Acreditamos que esse volume de recursos é plenamente suficiente para atender todas as necessidades de cobertura e qualidade", completou.

O executivo disse ainda que a Vivo tem sido cuidadosa na montagem de suas estratégias comerciais para evitar gargalos no atendimento dos usuários. Ao contrário de TIM, Claro e Oi, a Vivo não teve suas vendas suspensas pela Anatel em nenhum Estado. "Não gostaria de fazer comentários sobre planos comerciais de concorrentes, mas nós da Vivo temos uma relação muito próxima entre a montagem das ofertas e a estrutura das redes", alegou.

De acordo com Valente, a apresentação feita hoje pela empresa à Anatel teve quatro eixos principais, sendo eles a própria formulação dos planos comerciais, a estrutura dos sistemas de informação, a parte de atendimento ao cliente e a rede externa. Já o superintendente de serviços privados da agência, Bruno Ramos, afirmou que a Anatel pediu que a Vivo detalhe mais suas propostas de investimentos em cada Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
VivoAnatelInvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.