Telemar promete mais qualidade

A Telemar vai criar uma divisão especial para antecipar em dois anos as metas estabelecidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para o setor e garantir que possa competir em todo o território nacional a partir de dezembro de 2001. De acordo com a Anatel, que determinou uma série de compromissos de qualidade e quantidade de linhas para as operadoras, quem atender a esses requisitos antes do prazo que termina em 2004, poderá competir livremente no País, sem limites regionais.Corrigindo os errosA Telemar ficou em penúltimo lugar em número de processos abertos pela Anatel pelo não cumprimento de metas no primeiro semestre. "As reclamações da Agência foram por causa da qualidade e não da quantidade", diz o presidente da empresa, Manoel Horácio da Silva, que quer corrigir os problemas apontados pela Anatel até o final do ano. Segundo ele, em junho a Telemar já havia instalado o número de linhas previsto para dezembro. Com isso, hoje os 16 Estados que compõem sua região de atuação somam 11,3 milhões de telefones. A empresa está investindo na troca da rede antiga por uma rede de fibra óptica para melhorar a qualidade da transmissão dos sinais de voz e criar capacidade para transmissões em banda larga.De olho em novos mercadosManoel Horácio garante que a Telemar tem dinheiro suficiente para cumprir esses objetivos. A empresa conta com R$ 1 bilhão em caixa ."Até o final do ano teremos mais R$ 1 bilhão, fruto dos programas de redução de custo", explica o presidente do grupo. A operadora fixa paulista Telefônica, que assumiu a antiga Telesp, também conta com a antecipação de metas para poder atuar em outros Estados a partir de 2002. De acordo com o presidente da operadora, Fernando Xavier, a previsão é chegar a dezembro com 12 milhões de telefones, ou 25% a mais do que era previsto pela Agência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.