Teles Celulares voltam a interessar investidor

As novidades no setor de telefonia celular - com o anúncio da joint venture entre Portugal Telecom e Telefónica Móviles e o lançamento comercial da TIM - estão chamando atenção dos investidores novamente para as companhias desse segmento. Os papéis das empresas acumulam valorizações significativas nas últimas semanas. Somente ontem, Tele Celular Sul ON (10,15%) e PN (7,14%), Tele Leste Celular PN (8,33%), Telesp Celular PN (5,21%) e Tele Nordeste Celular PN (3,48%) tiveram altas significativas.Os analistas apontam para questões específicas e não há um consenso sobre uma razão específica para esse desempenho. De uma forma geral, é possível afirmar que há uma melhora de sentimento em relação às empresas. Contudo, o ceticismo ainda permanece.A analista da Itaú Corretora, Roberta Kosaka, destacou que esse período de elevada sensibilidade ainda pode afetar as empresas. Segundo ela, os papéis das operadoras móveis ainda têm boa parte dos negócios em ADRs - American Depositary Receipts -, ou seja, suas ações são negociadas na Bolsa de Nova York em dólares por meio de recibos. Assim, o peso do investidor estrangeiro, que leva muito em consideração questões de natureza nacional e macroeconômica, tende a ser maior.O analista do Pactual, Rodrigo Magela, disse que as companhias estão passando por um movimento de reprecificação do cenário do setor, com uma melhora nas expectativas. André Gadelha, também do Pactual, afirmou que, apesar das incertezas futuras, houve uma melhoria na visibilidade regulatória do setor e também da competição.Mesmo assim, Gadelha disse que existem questões relevantes sobre o futuro macroeconômico do País e as perspectivas de renda da população que ainda preocupam. Outro ponto que concentra a atenção é a política que deve ser adotada pelo novo governo com relação às agências reguladoras.Expectativas e Telesp Celular ajudam segmentoSobre o movimento com Tele Celular Sul, a analista da BES Securities Carolina Gava afirmou que o lançamento comercial da TIM agrega perspectivas operacionais positivas às empresas do grupo. "As sinergias são grandes. Além disso, a TIM, por ser um grupo forte, pode funcionar para retenção e até conquista de cliente."Roberta Kosaka lembrou também que a empresa é a única que ainda atua numa região com apenas dois competidores. Existem regiões onde irão existir quatro concorrentes. Para os analistas, as expectativas de consolidação societária ainda não estão movimentando o mercado. Segundo os especialistas, é cedo para prever um modelo para consolidação das empresas.Dessa forma, são as questões operacionais que estão concentrando atenção neste momento. Rodrigo Magela comentou que notícias como a do anúncio da joint venture entre a PT e a Telefónica Móviles também contribuem para o cenário de expectativas do setor. Ele lembrou que o grupo pode buscar o crescimento por meio de aquisições de outras empresas.O movimento recente com as ações da Telesp Celular, que andava esquecida pelos investidores, também contribuiu para a melhora de humor com as demais operadoras. "A Telesp Celular funciona como um teto de referência para o setor por ser a mais negociada e atuar no melhor mercado", comentou André Gadelha.Também é praticamente consenso entre os analistas que as empresas de telefonia celular estavam bastante depreciadas. Com isso, esse movimento de recuperação e de melhora no sentimento geral da bolsa, verificado recentemente, trouxe uma procura por ativos com maior espaço de correção. O mercado está procurando por empresas com betas elevados, afirmou André Gadelha. Roberta Kosaka também relacionou as fortes reações recentes ao comportamento geral do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.