finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Teles vivem fase positiva na Bolsa

Ações de empresas de telecomunicações brasileiras estão entre as que mais sobem este ano nas Américas

Nilson Brandão Junior, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2025 | 00h00

As ações de empresas de telecomunicações brasileiras estão no grupo das que mais sobem nas Américas este ano. Os dados constam de levantamento feito pela Economática, a pedido do Estado. Entre os 20 papéis com maior alta de 2 janeiro a 20 julho, 11 eram brasileiros.Parte dessas altas estão ligadas a reestruturações acionárias em curso no País. Ontem, por exemplo, os controladores do Grupo Oi (ex-Telemar) desembolsaram R$ 681,2 milhões na compra de ações preferenciais da operadora, com vistas à reestruturação do grupo.Dentre as ações brasileiras que mais subiram, as de maior liquidez (negociação diária) são as da Brasil Telecom, Telemar (Oi), Telemig e Telesp. A ação preferencial da Brasil Telecom, por exemplo, avançou 68,1% no período pesquisado, enquanto a ordinária da Tele Norte Leste Participações (Telemar/Oi) subiu 33,1%. O Ibovespa subiu 29% no mesmo período.Para comparação, três países concentraram maior movimentação entre os 72 papéis do levantamento. Os 20 americanos giraram US$ 3,1 bilhões ao dia; as oito ações mexicanas, US$ 140,8 milhões; e os 32 papéis de empresas brasileiras, US$ 11,1 milhões ao dia.Na avaliação do analista do Santander, Rogério Tostes, a valorização das ações do setor no Brasil estão ligadas aos movimentos de reorganização societária em curso e a expectativas de possível consolidação setorial no futuro. Ele explica que a perspectiva de negócios de fusões e aquisições entrou no radar setorial e, nesse cenário, os investidores correm para esses ativos, atrás de chances de prêmios no investimento.Nos últimos 12 meses, circulou o rumor de que a TIM estaria à venda, o que não ocorreu. Mais recentemente, a Telecom Italia (TI) vendeu uma fatia que detinha na Solpart, dona de 51% do capital ordinário da Brasil Telecom, para fundos Previ, Petros e Funcef. Nesse momento, está em processo a venda da Telemig e da Amazônia Celular. Especula-se que a própria BrT poderá, no futuro, ser vendida. E o Grupo Oi tenta implementar um processo de simplificação acionária.OFERTA PÚBLICAOs controladores do grupo Oi compraram ontem o equivalente a 25,75% das ações preferenciais da operadora de telefonia que estavam no mercado, por meio de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA). Os papéis foram vendidos com um ágio de 28,2% em cima do inicialmente oferecido. Uma fonte que acompanha de perto a empresa diz que o resultado foi positivo e agora a Tmar Participações (que congrega os controladores) tem uma participação direta de 7% na operadora.''''Isso é bom, porque mostra que os controladores acreditam no ativo. Foi pago um bom ágio. Ninguém compra papéis para perder dinheiro'''', disse. A Tmar Part comprou 10.091.956 ações da operadora. O grupo é formado pelos controladores GP Investimentos, Andrade Gutierrez, La Fonte (presidida pelo empresário Carlos Jereissati) e BNDESPar, dentre outros.O preço inicialmente oferecido era R$ 52,39. A oferta foi ampliada, sucessivamente, para R$ 58, R$ 63 e, finalmente, R$ 67,50. No próximo dia 14 será feita uma oferta pública para a compra de ações preferenciais da Tele Norte Leste, uma holding do grupo.Na avaliação do analista-chefe do setor do Santander para América Latina, Válder Nogueira, contudo, a operação foi ''''parcialmente'''' bem-sucedida. Ele explica que foram compradas apenas mais da metade (56%) da 17,860 milhões de ações preferenciais registradas para participar da oferta pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.