Telesp: alguns acionistas podem perder dinheiro

De acordo com a Associação Nacional dos Investidores do Mercado de Capitais (Animec), quem é acionista da Telesp por meio do programa Planta Comunitária de Telefonia ( PCT) - um plano de expansão vendido por empresas terceirizadas - pode perder R$ 357,4 se optar por fazer a troca de suas ações pelos BDRs da Telefónica.No total são 200 mil pessoas nestas condições, o que identifica uma perda total de R$ 60 milhões. A entidade pretende reunir esses acionistas - conhecidos como pecetistas - e tentar anular o processo no Ministério Público. Quem tem ações pelo programa e deseja participar da ação, deve acessar o site da Animec (veja o link abaixo) e preencher o cadastro. Antes de chegar à essa decisão, a Associação tentou contatar a Telefónica durante três meses para participar do item envolvendo os pecetistas. A empresa orientou que a solicitação fosse encaminhada à Telefónica em Madri, o que dificulta o processo. Caso o os direitos dos pecetistas sejam acatados, a Telefónica terá duas opções: fazer a conversão da ação pelo valor equivalente ou fazer um acordo para devolução da diferença. Além disso, outros problemas rodeiam os pecetistas, os últimos da lista à espera do recebimento das suas ações, datada pela Telefónica para setembro. Somente a partir desse mês, eles poderão negociar os BDRs. A entrega das ações ainda depende da realização de uma assembléia da Telesp para deliberação de aumento de capital para emissão das ações. Animec aponta os motivos de perdas na troca de ações da Telesp por BDRs O volume de papéis da Telesp que os assinantes de PCT têm direito de subscrever foi definido com base no preço médio da ação apurado num período de 5 a 20 pregões antecedentes ao dia da publicação do aviso de subscrição. No caso dos pecetistas, é impossível fazer o cálculo, porque a subscrição não foi feita. Ela só pode ser iniciada após a realização da Assembléia Geral da Telesp, até o fim do mês.A Telefónica definiu como critério o valor apresentado nos dez pregões anteriores ao dia 22 de fevereiro deste ano, quando foi aprovada a participação dos pecetistas na oferta. Para a Animec, a escolha desse período prejudicou os pecetistas, porque levou a um preço de subscrição de R$ 61,34 por lote de mil ações, superior aos R$ 57,20 utilizados no cálculo para os acionistas da Telesp que não são pecetistas.Assim, como o valor para os pecetistas ficou mais elevado, eles terão direito a um número menor de ações da Telesp, portanto, menos BDRs. A Animec fez os cálculos de quanto sairia a subscrição com base na cotação do dia 26 de maio e concluiu que cada pecetista receberia 25,991 mil ações da Telesp, equivalentes a 33,7 BDRs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.