Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Telesp vai incorporar as ações da Vivo

Reestruturação societária, anunciada ontem pela Telefônica e pela Vivo, deve ser concluída durante o primeiro semestre de 2011

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2010 | 00h00

A Telefônica anunciou ontem que a Telesp, operadora fixa de São Paulo que pertence ao grupo espanhol, vai incorporar as ações da empresa de telefonia móvel Vivo. A reestruturação societária, aprovada pelos conselhos de administração das duas empresas, deve ser finalizada durante o primeiro semestre de 2011.

Em julho, a Telefônica comprou os 30% da Vivo que pertenciam à Portugal Telecom por 7,5 bilhões, elevando sua participação na empresa para 60%.

"A Telesp incorporará ao seu patrimônio a totalidade das ações da Vivo Participações, atribuindo-se diretamente aos titulares das ações da Vivo Participações que forem incorporadas às novas ações que lhes couberem na incorporadora Telesp", informaram as empresas, em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo o comunicado, a medida fará com que os acionistas tenham ações em uma única empresa, com maior liquidez, racionalizará a estrutura de custos das companhias e auxiliará na integração de negócios e na geração de sinergias.

Foram formados dois comitês especiais independentes, um em cada empresa, para negociar a relação de troca das ações e as outras condições da reestruturação societária.

O comitê da Vivo é formado por Ignacio Aller Malo, José Guimarães Monforte e Antonio Gonçalves de Oliveira, integrantes do conselho de administração. Na Telesp, por Fernando Xavier Ferreira, Luciano Carvalho Ventura e Claudio Furtado.

Depois que forem decididas as condições da incorporação, serão marcadas assembleias de acionistas para tratar da reestruturação.

Os acionistas da Vivo que não concordarem com a incorporação terão direito a reembolso, cujo valor será divulgado com os outros detalhes da incorporação dos papéis.

Aprovação. Além do sinal verde dos acionistas, a reestruturação acionária precisa ser aprovada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A medida já era esperada desde a aprovação pela agência da compra da participação da Portugal Telecom na Vivo, maior operadora celular do País.

A ideia da Telefônica é operar como uma empresa integrada, perstando serviços de telefonia móvel, celular, banda larga e televisão por assinatura, como já faz a concorrente Oi.

Com a Vivo, o grupo espanhol passa a ser uma empresa presente em todo o território nacional, deixando de estar restrito ao Estado de São Paulo, área de concessão da Telesp.

PARA LEMBRAR

A Telefônica conseguiu comprar a participação da Portugal Telecom na Vivo, este ano, depois de um processo tumultuado, em que houve até a intervenção do governo português para barrar uma oferta que havia sido aprovada pelos acionistas. A empresa espanhola prevê uma sinergia de 4,2 bilhões com a união entre sua operação fixa de São Paulo e a empresa de telefonia celular. A Vivo tem 58,4 milhões de clientes, com uma fatia de 30% do mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.