NYT
NYT

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Televisão para cachorro permite que dono ‘fale’ com animal via internet

Novas tecnologias impulsionam mercado de produtos para animais domésticos nos Estados Unidos, onde já existem mais lares com cães do que com crianças

The New York Times,

19 de março de 2014 | 15h49

NOVA YORK - Alex Stone e sua esposa, Marissa McDaniel, trabalham em tempo integral. Eles têm dois cães que passam o dia em casa e, muitas vezes, têm dificuldade para chegar em casa para alimentá-los.

"Animais de estimação são como crianças e precisam ter uma rotina", comenta Stone.

Para resolver o problema, ele criou um alimentador automático, um prato oval com uma tampa contendo seis bandejas rotativas para alimentos, guloseimas e medicação, além de água. O dispositivo pode ser controlado remotamente por smartphone, tablet ou computador.

Eles também podem gravar uma mensagem de vídeo para os cães e programar para horários específicos durante todo o dia. É possível entrar na internet e conferir se os animais estão de comportando e se alimentando corretamente e até 'conversar' pela webcam que conecta a uma rede sem fio.

Desde o fim do ano passado Alex tone começou a aceitar encomendas para o alimentador. O preço é de R$ 199, o equivalente a R$ 464,00. A empresa, com sede em Los Angeles, tem cerca de 5.5 mil unidades encomendadas e planeja começar a entregar os primeiros alimentadores nas próximas semanas.

Dog TV. Como muitos empresários, os Stones estão aproveitando a evolução das tendências da indústria pet. Um deles é a extensão da propriedade de estimação: de acordo com a American Pet Products Association, já existem mais de 80 milhões de cães nos Estados Unidos, e os dados do censo americano encontrou mais agregados familiares com um cachorro do que criança em casa.

Lisa Lavin, de PetChatz, usa seu iPad em seu escritório para ver seu cão em casa. Como ela, muitos donos de animais estão tratando seus cães e gatos como se fossem crianças - uma grande mudança em comparação aos tempos em que os cães dormiam na garagem ou numa casinha no quintal e comiam sobras de comida, diz Clay Mathile, que construiu a empresa de alimentos pet chamada Iams e vendeu-a para a gigante Procter & Gamble por US$ 2,3 bilhões em 1999.

O dispositivo PetChatz permite que os proprietários do animal de estimação possam interagir com seus cães ou gatos à distância. O aparelho pode ser embutir mais uma tomada elétrica e tem um alto-falante, webcam, tela LCD e dispensador de aroma, além de sensores de som e movimento.

Através de um aplicativo em um telefone, tablet ou computador, os donos podem usar PetChatz para convocar seus animais de estimação, vê-los, falar com eles e dispensar um tratamento e um perfume, disse Lisa Lavin, co-fundadora e presidente-executiva.

"Os cães aprendem rapidamente que eles precisam apenas se aproximar do PetChatz para 'chamar' os seus proprietários, que são alertados por meio do aplicativo para o movimento ou som", explica ela.

PetChatz é o primeiro produto de Anser Inovação em Minneapolis e deve estar disponível na Primavera deste ano. A empresa levantou cerca de US $ 2,5 milhões de investidores. O produto será vendido por US$ 349.

 

Canal. O DogTV é um canal de televisão 24 horas, com conteúdo voltado para os cães, especialmente aqueles deixados sozinhos durante o dia. Fundada em 2012 por Gilad Neumann, um empresário israelense, a empresa tem receita de mais de US$ 5 milhões por ano e se mudou do subúrbio de Tel Aviv para Sunnyvale, na Califórnia. A estação foi introduzido em todo o país em agosto passado no sistema DirectTV como canal de assinatura premium, que custa US$ 5 por mês.

O conteúdo inclui "música psicoacústica clássica" - um cruzamento entre a música clássica e som ambiente de elevador, que cães calmos - e imagens de animais, especialmente de outros cães. A programação também inclui imagens e sons que podem ser estressantes para os cães, como crianças e campainhas.

Outra empresa que ajuda os cães suportar as horas solitárias é a iFetch, que fabrica um brinquedo motorizado com um funil em cima, onde o cão pode inserir uma bola para que ela seja ejetada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.