TelexFree suspende todas as operações

Empresa é acusada de promover esquema de pirâmide financeira e entrou com pedido de recuperação judicial em abril 

Economia & Negócios,

16 de maio de 2014 | 22h45

A TelexFree, acusada de promover um esquema de pirâmide financeira, anunciou nesta sexta-feira, 16, a suspensão de todas as suas atividades. Em comunicado publicado em seu site, a empresa afirma que precisa solucionar pendências com a Corte de Falências norte-americana, a Securities and Exchange Commission(SEC, equivalente à CVM no Brasil) e outras agências governamentais.

Em abril, a companhia entrou com pedido de recuperação judicial no Estado norte-americano de Nevada. Especializada na venda de serviços de voz pela internet (Voip), a TelexFree teria levantado US$ 1 bilhão pelo mundo com falsas promessas de rápido enriquecimento.

Nesta última quinta-feira, um novo episódio: Katia Wanzeler, mulher do também brasileiro Carlos Wanzeler, cofundador da empresa, foi presa no Aeroporto Internacional de Nova York, segundo informou o jornal The Boston Globe.

Ela tentava fugir para o Brasil, onde o marido pode estar. A Justiça dos Estados Unidos o considera foragido.Carlos Wanzeler teria conseguido fugir para o País pelo Canadá e Katia supostamente tentava fazer o mesmo trajeto.

O americano James Merrill, outro fundador da TelexFree, foi preso no último dia 9, em Massachusetts. A empresa também é investigada no Brasil por suspeita de pirâmide.

Os participantes do esquema tinham de pagar US$ 289 por um kit de publicidade ou R$ 1.375 por cinco kits. Em troca pela publicação de anúncios publicitários em determinados sites, a companhia prometia retornos anuais de até 250%.

Os esquemas de pirâmide são conhecidos por pagar mais aos participantes para recrutar novos membros do que para vender os produtos oferecidos. 

(Com informações da Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
TELEXFREE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.