WENDERSONARAUJO/TRILUX
WENDERSONARAUJO/TRILUX

Temer critica cotas dos EUA para venda de aço

Mesmo assim, presidente admitiu que há uma tendência a aceitar a imposição dos americanos

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 13h59

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer criticou, nesta sexta-feira, a decisão do Estados Unidos de sobretaxar o aço e o alumínio brasileiro. Em entrevista à NBR, Temer afirmou que a decisão não foi "útil" e deixou em aberto a possibilidade do Brasil recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC). O presidente admitiu, no entanto, as chances de aceitar as chamadas cotas impostas pelos norte-americanos.

+ Proposta dos EUA reduz em 30% exportações brasileiras de aço acabado

"Nós exportamos muito aço inacabado. Há uma tendência de aceitar as chamadas cotas que os Estados Unidos estão pleiteando (para o aço brasileiro). Isso ainda está em estudo. O mesmo vale para o alumínio", afirmou. "Não sei se vamos levar isso para a OMC ou não, mas por enquanto produtores não querem perder essas exportações. Não foi útil essa decisão norte-americana, tanto que foi adiada. Quem sabe (essa decisão) seja adiada até o final do mês e nós possamos negociar melhores condições", disse.

+ China propõe elevar importações dos EUA e cortar tarifas de alguns produtos

Temer também comentou sobre os preços praticados pela Petrobras, ao ser questionado sobre a imagem da estatal em seu governo. Ele disse que a empresa melhorou financeiramente, na gestão de Pedro Parente, atual presidente, por conta da equiparação dos preços com o mercado internacional.

+ Temer diz que ir à OMC é última opção

"A Petrobras era praticamente um palavrão cerca de dois anos atrás. Com isso as ações caíram. Com o Pedro Parente, a Petrobras logo se recuperou. Parente me disse que o melhor seria acompanharmos política de preços internacionais e é isso que temos feito. Isso dá muita credibilidade e vai continuar", explicou. Sobre os elevados preços de combustível, Temer respondeu que, "lamentavelmente", a tendência é que se continue assim. "Caindo o preço internacional, o preço dos produtos da Petrobras cai também", explicou.

Sobre a reforma da Previdência, o presidente não descartou que o tema possa voltar à pauta legislativa após as eleições. Disse que, ainda assim, a tendência é que as alterações ocorram no próximo governo, já que sua gestão colocou o tema na pauta política do País. "Sem eleições pela frente, isso facilita a aprovação da reforma da Previdência".

Ao argumentar, no entanto, sobre as razões de o governo não ter conseguido aprovar o tema junto ao Parlamento, Temer lembrou da intervenção federal no Rio de Janeiro. "Entre a reforma da Previdência, de difícil aprovação, e a intervenção federal no Rio de Janeiro, tivemos que paralisar essa reforma", explicou.

O presidente também falou sobre os altos juros do cartão de crédito. Com um discurso voltado para o cidadão, ele explicou por que a redução da taxa selic não derrubou também os juros praticados por bancos privados. Mas, na sequência, disse que o governo está num movimento para reduzir isso. A ideia é utilizar a Caixa Econômica Federal para pressionar que as instituições financeiras também joguem os juros para baixo.

"A tendência é reduzir juros do cartão de crédito. Já houve uma redução, mas estamos numa movimentação para garantir uma redução maior no juros dos bancos", disse. Sobre a queda da inflação, Temer disse que isso se deu pelo diálogo junto ao Congresso Nacional, o que trouxe confiança ao governo.

Ele também falou sobre medidas sociais do governo. Citou, mais uma vez, o reajuste acima da inflação para o Bolsa Família, o que não acontecia há dois anos, como destacou ele, e a possibilidade de lançar uma linha de crédito imobiliário pela Caixa Econômica ainda neste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.