Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Temer assina decreto para início de estudos sobre capitalização da Eletrobrás

Após anúncio de Marun, presidente divulgou um vídeo em suas redes sociais e reforça necessidade de aprovação do projeto pelo Congresso

Carla Araújo, Anne Warth e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 16h57

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, confirmou nesta quinta-feira que o presidente Michel Temer assinou o decreto que inclui a Eletrobrás no Plano Nacional de Desestatização (PND), conforme antecipou o Estadão/Broadcast. O texto estará amanhã no Diário Oficial da União. "O presidente Temer assinou o decreto que permite o início dos estudos referentes à capitalização da Eletrobrás", disse após reunião com Temer e com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia). 

Assim que Marun anunciou a assinatura do decreto para a imprensa, Temer divulgou um vídeo nas redes sociais em busca bônus político. "Acabei de assinar um decreto que autoriza início dos estudos para capitalização da Eletrobrás, tão logo o projeto seja aprovado pelo Congresso Nacional", afirmou Temer em sua fala. Marun também fez questão de ressaltar que o texto "é vacinado contra intrigas" e deixa expresso que a capitalização só deverá acontecer após aprovação do projeto de lei que está no Congresso Nacional. 

Na semana passada, recém-empossado como ministro de Minas e Energia, Moreira Franco anunciou a publicação do decreto, que acabou não saindo porque parlamentares avaliaram que a atitude de Moreira era um atropelo.

+ Distribuidoras que Eletrobrás quer vender consumiram R$ 3,7 bilhões em dois anos

Para evitar novos desgastes, a cúpula do governo alinhou o texto também com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "O presidente Rodrigo manifestou preocupação em relação à possibilidade que isso viesse a significar uma ultrapassagem do Congresso no processo. Foi estabelecido diálogo com o presidente Rodrigo", disse Marun. "E nós entendemos que o atual formato do texto deste decreto tranquiliza o presidente", completou. 

Marun voltou a dizer que a capitalização da Eletrobras é imprescindível para que a empresa atenda as necessidades da população. "A Eletrobras tem que ser capitalizada", afirmou. "Entendemos que o ideal é que esta capitalização aconteça com recursos da iniciativa privada e é a isso que vamos nos dedicar."

Mais conteúdo sobre:
Eletrobrás privatização

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.