DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Temer cobra redução de juros do presidente do Santander Brasil

Em recado ao presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial, Temer cobrou redução nos juros do crédito imobiliário

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 21h04

O presidente Michel Temer (MDB) cobrou nesta quarta-feira, 14, em discurso no simpósio "Abertura da Safra de Cana 2018/19", em Ribeirão Preto (SP), redução nos juros do crédito imobiliário. O recado foi dado ao presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial. Minutos antes, no mesmo evento, Rial afirmou que o "País já convive com taxa de 1% ao mês no (crédito) consignado e de 9,49% (ao ano) de crédito imobiliário". Temer citou a fala, lembrou da queda na taxa básica de juros, hoje em 6,75% ao ano, e emendou: "Peço para você reduzir um pouco mais", disse, arrancando risos da plateia e do próprio Rial.

No restante do pronunciamento, Temer retomou o discurso de exaltar realizações nos quase dois anos do seu governo. Começou elogiando os ministros, em especial Fernando Coelho Filho, das Minas e Energia. "Tive sorte na escolha do meu ministério, quando montei a equipe econômica, quando escolhi os ministros, em todos os setores, deram certo. Mas confesso que uma das minhas maiores alegrias foi nomear Fernando Filho".

+ Juro do crédito imobiliário recua só 14%; Selic cai pela metade 

Em seguida, o presidente reafirmou que seu governo "fez reformas que foram pensadas, mas jamais executadas", citando como exemplo a Reforma Trabalhista. "Uma das marcas do nosso governo é a palavra diálogo." Temer voltou também a citar a renegociação das dívidas de Estados e municípios e lembrou o socorro recente de mais R$ 2 bilhões para prefeitos quitarem dívidas, além dos débitos previdenciários. "A União não pode ser forte sozinha e só será forte se forem fortes Estados e municípios."

O presidente se mostrou otimista com projetos e negociações ainda travadas no governo. Falando ao presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, prometeu "logo, logo" solucionar o projeto Rota 2030. Temer disse também que o acordo comercial União Europeia-Mercosul está quase finalizado e que europeus teriam aceitado um período de transição "menor, em cinco anos", para o seu início. "Em um mês, um mês e meio, devemos fechar acordo."

+ Limite de R$ 1,5 milhão para financiar imóvel com FGTS poderá ser prorrogado

Temer criticou a oposição, classificada de "feroz" por ele, e afirmou, sem citar nomes ou partidos, que "querem impedir que o Brasil cresça e paralisar o País". No evento em que o presidente assinou a regulamentação da Nova Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), ele afirmou que o programa é um "novo capítulo e uma ampla agência de modernização" para o setor de renováveis. O decreto deve ser publicado amanhã, no Diário Oficial da União (DOU).

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer Santander juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.