Joédson Alves/EFE
Joédson Alves/EFE

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Temer diz a executivos estrangeiros que agenda econômica será mantida

Mesmo com crise no Planalto, governo avalia que reforma trabalhista tem boa chance de ser aprovada até a próxima semana

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2017 | 20h56

BRASÍLIA - Num encontro com representantes das operadoras internacionais de aeroportos Fraport, Zurich e Vinci, no início da tarde de hoje, no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer tomou a iniciativa de falar sobre a crise política e buscou tranquilizar os executivos. "O presidente disse que o Brasil continua mantendo a mesma linha política e econômica", relatou o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, que participou da reunião.

O governo ainda avalia como boas as chances de a reforma trabalhista ser aprovada no Senado nesta semana ou na próxima. "Os partidos da base continuam apoiando o governo e há um compromisso de continuar votando as medidas de interesse do País, inclusive com a retomada da agenda de reformas", disse o ministro. Evidências disso são o avanço da proposta trabalhista e a aprovação de sete Medidas Provisórias (MPs) na semana passada.

Meirelles nega 'plano B' para a reforma da Previdência

"Estamos trabalhando para que a expectativa de crescimento se mantenha até o final do ano", afirmou Quintella, referindo-se ao crescimento de 1,1% apurado pelo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) no primeiro trimestre deste ano. Esse índice é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), cujo resultado será divulgado na próxima quinta-feira.

A expectativa é de que o dado venha positivo, o que oficializará o fim da recessão. O ministro admitiu que a crise política pode colocar esse crescimento num patamar inferior. "Mas o importante é que o Brasil saiu da recessão e voltou a crescer, e os investidores estão observando o Brasil com todo o cuidado."

Comissão do Senado pode votar parecer da Reforma Trabalhista nesta 3ª feira

Quintella afirmou que, no caso específico do mercado de aviação, a tendência é de crescimento. Depois de 19 meses sucessivos de queda na demanda e no número de passageiros, o setor passou a exibir dados positivos. No caso da demanda, houve expansão de 5,4% sobre março de 2016 e de 13,2% em abril, disse o ministro. A quantidade de passageiros aumentou 4,1% em março e a expectativa é positiva em relação a abril. "O setor tem tudo para voltar a crescer, e rápido", disse o ministro.

Os três operadores internacionais arremataram as concessões dos aeroportos de Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre, leiloados em março passado. Os contratos deverão ser assinados até o dia 27 de julho, informou Quintella. No encontro com Temer, foi comentado que é preciso engajamento dos governos estaduais no processo para que, por exemplo, as obras de acesso ao aeroporto de Florianópolis sejam concluídas no prazo.

O ministro reafirmou que haverá novas rodadas de leilão de aeroportos. No entanto, ainda falta discutir uma questão prévia: o que será feito da Infraero, que desde o início do programa de concessões já perdeu dez de seus aeroportos. Só então será definida uma nova rodada. Os leilões ficarão para 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.