AFPPHOTO / EVARISTO SA
AFPPHOTO / EVARISTO SA

Temer diz não ver problema em contribuição sindical voluntária

Presidente reforçou que tese central da reforma trabalhista permite o acerto

Carla Araújo, enviada especial, O Estado de S.Paulo

21 Julho 2017 | 14h04

MENDOZA, ARGENTINA - O presidente Michel Temer disse em Mendoza, na Argentina, que ontem, em conversas com sindicalistas reforçou que a tese central da reforma trabalhista é a da voluntariedade e do acordado sobre o legislado e que não haverá imposição em relação à contribuição sindical. 

"Se no acordado estabelecer-se uma contribuição voluntária não há problema nenhum, ela está de acordo com a tese central da lei e estabelece a vontade entre as partes. Agora, não haverá nada impositivo em relação à contribuição sindical", afirmou.

+ INFOGRÁFICO: Entenda o que muda na relação patrão-empregado

Temer disse ainda que acredita que a Medida Provisória que o governo está elaborando para fazer ajustes no texto da reforma trabalhista será aprovada no Congresso.

"Acredito que sim, tudo isso vai depender do diálogo, essas coisas não é possível antecipar, é preciso verificar quais são as eventuais necessidades, quais as eventuais verificações e é preciso muito dialogo especialmente em qualquer  modificação", disse. 

+ Governo admite dificuldade em abastecer fundo que paga seguro-desemprego

O presidente lembrou que a reforma trabalhista foi aprovada após um acordo com o Senado de que o Executivo editaria a MP para alterar alguns pontos da nova lei. Segundo ele, agora será preciso alinhar os objetivos do Congresso para que a MP avance.

"As lideranças do Senado haverão de trabalhar com as lideranças da Câmara e, portanto, fazer um esforço conjunto para um acordo para que não haja divergência", disse. "Essa é a tese que nós estamos sustentando e que as centrais sindicais acolhem." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.