Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Temer diz que corrigir a tabela do Imposto de Renda 'seria útil, mas complicado'

Presidente comentou que aprecia ampliar a faixa de isenção do IR, mas disse que não há nada concreto sobre o assunto, que causaria um baque na arrecadação

Irany Tereza e Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2017 | 12h54

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer afirmou hoje, em coletiva a emissoras regionais de rádio, que "apreciaria muitíssimo" corrigir a tabela do Imposto de Renda para Pessoa Física, com a ampliação da faixa de isenção, hoje limitada ao máximo de R$ 1.913,98. Temer, que respondia a uma pergunta sobre a possibilidade de dobrar esse teto, disse, porém, que não há nada de concreto sobre o assunto, que considerou "muito complicado".

"Houve uma fala sobre a possibilidade de aumentar a faixa de isenção", confirmou o presidente, sobre negociações iniciais a respeito do tema. Mas, evitou anunciar como certa a possibilidade de dobrar a faixa de isenção. "Não há isso concretamente. Seria bom. Seria uma maneira de alcançar uma boa margem de trabalhadores que seriam beneficiados por isso de um lado e, de outro lado, também a economia que fariam ao invés de pagar o tributo, iriam gastar isso na economia nacional" declarou o presidente.

Em seguida, Temer reconhece que a medida, que causaria um baque na arrecadação federal, não é fácil de ser adotada, embora a considere importante. "Seria útil. Mas reconheço que é uma coisa complicada. Foi fruto apenas de uma breve fala que as cadeiras, mesas e paredes do Planalto captaram", disse, brincando com o vazamento da informação. Questionado sobre o prazo para a definição em torno dessa possibilidade, o presidente respondeu com apenas um "não sei".

Mas, antes, Michel Temer, ao responder sobre a possibilidade de ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda, chegou a fazer um paralelo com os efeitos da Medida Provisória que está sendo concluída pelo governo e que permitirá o saque dos rendimentos de contas do FGTS. "Os rendimentos do FGTS, que ficavam apenas com o poder público, são partilhados, metade vai para os trabalhadores", disse o presidente, anunciando para "daqui a um mês, um mês e pouco, no máximo" o prazo para a liberação de "vários bilhões que são fruto do rendimento".

 

 

Temer também comparou a medida à injeção de recursos no varejo trazida pelos saques de contas inativas do Impostot de Renda. "Houve apenas uma primeira conversa para verificar se seria possível ampliar a faixa limite para o IR. Se for possível, claro, se aumenta a faixa de isenção, permitindo que muita gente possa economizar no pagamento do tributo para investir, para aplicar no varejo ou onde seja. Aliás, talvez haja relação lógica entre a liberação dos valores do FGTS que já chegam a R$ 28 bilhões e a melhora das compras no varejo", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.