Sergie Karpukhin/AP
Sergie Karpukhin/AP

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Temer diz que juros vão cair para um dígito 'em brevíssimo tempo'

Presidente se reuniu com Vladimir Putin em Moscou e evitou referências à reforma trabalhista, que sofreu derrota em comissão do Senado na véspera

Andrei Netto, enviado especial, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2017 | 10h13

MOSCOU - O presidente Michel Temer reuniu-se por mais de duas horas com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nessa quarta-feira, 21, no Kremlin, em Moscou. Na oportunidade, o brasileiro afirmou que os juros no Brasil, definidos pelo Banco Central, vão "em brevíssimo tempo" cair à casa de um dígito. Atualmente, a Selic está em 10,25% ao ano. A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, que define a taxa, começa em 25 de julho. A decisão será divulgada no dia seguinte.

O encontro bilateral foi o primeiro desde o início da gestão do brasileiro. Em um rápido diálogo aberto aos jornalistas, Putin lembrou que a cooperação bilateral é estreita tanto no interior dos Brics, quanto no G20, e que o Brasil " é um dos principais parceiros na América Latina ". O presidente russo lamentou a queda no comércio bilateral em 2016 e disse que os dois países devem trabalhar para aprofundar as trocas.

VEJA MAIS: A empresários, Meirelles diz que BC precisa baixar juros

Temer afirmou que está em sua quarta visita a Moscou e em um segundo encontro com Putin, e que os resultados têm sido "sempre muito positivos ". "Temos economias parecidas ", disse. O presidente mencionou ainda as reformas em curso - sem fazer alusão alguma à reforma trabalhista, que enfrentou uma derrota no Senado na terça-feira -, o combate à inflação e a política de juros. ""Em brevíssimo tempo teremos juros de um dígito no país", disse Temer. 

RELEMBRE: Em Moscou, Temer diz que vitória na reforma trabalhista é 'certíssima'

O presidente brasileiro defendeu ainda um diálogo franco e aberto no G20 e no grupo de grandes emergentes BRICS, além das Nações Unidas, "onde nós defendemos sempre as mesmas teses". Ao final da reunião, Temer e Putin farão uma declaração conjunta e assinarão acordos bilaterais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.