André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Temer diz que, se não tiver votos, não tem sentido colocar reforma da Previdência em votação

O presidente da República afirmou que seu partido, o PMDB, vai tentar  fechar questão  para obrigar deputados a votarem a favor da reforma; segundo ele, o PP e o PTB sinalizaram que farão o mesmo

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2017 | 15h05

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira, 5, que a reforma da Previdência não deve ser pautada na próxima semana se a base governista não reunir votos suficientes para aprová-la. Temer disse que conversou sobre isso com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

"Evidentemente, temos que ver se tem votos. Se não tiver votos, não tem sentido colocar (em votação). Essa é a principal ideia. Eu acho que vai ser agora pelo que estou sentindo. Estou animadíssimo", disse Temer antes de almoçar  no Itamaraty com o presidente boliviano, Evo Morales.

O presidente afirmou que, se a reforma passar, será necessário revisar as regras da aposentadoria em até dez anos. Do contrário, o próximo  presidente teria que promover uma reforma mais pesada no prazo de dois anos.

"Eu sinto que o povo já  está  compreendendo a indispensabilidade da Previdência. Você faz uma reforma agora para fazer outra daqui a oito ou dez anos ou então tem que fazer uma daqui a um ou dois anos inteiramente radicalizada. Muito mais pesada do que aquela que faria hoje", disse. 

"Houve um bom esclarecimento sobre a reforma da Previdência, porque no primeiro momento houve uma campanha equivocada contra."

++‘Municípios terão R$ 3 bi se reforma for aprovada’, diz Eliseu Padilha

O presidente da República afirmou que seu partido, o PMDB, vai tentar  fechar questão  para obrigar deputados a votarem a favor da reforma. Segundo ele, o PP e o PTB sinalizaram que farão o mesmo. "Há uma tentativa do PMDB de fechar questão, o PP talvez também feche. O PTB está fechando."

Temer disse que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), está disposto a votar a reforma em fevereiro de 2018, se aprovada na Câmara ainda neste ano. O presidente disse que, por enquanto, não haverá  mais liberação de verbas em troca de votos, além dos R$ 3 bilhões anunciados ontem para prefeitos e condicionados à aprovação da reforma pelos parlamentares.

O presidente minimizou as críticas do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, à  indecisão do PSDB quanto à reforma. "Ele fez uma declaração de acordo com as concepções dele. Mas nada agressivo com relação ao PSDB. Foi uma análise sociológica", disse Temer. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.