André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Temer diz que, se não tiver votos, não tem sentido colocar reforma da Previdência em votação

O presidente da República afirmou que seu partido, o PMDB, vai tentar  fechar questão  para obrigar deputados a votarem a favor da reforma; segundo ele, o PP e o PTB sinalizaram que farão o mesmo

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2017 | 15h05

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira, 5, que a reforma da Previdência não deve ser pautada na próxima semana se a base governista não reunir votos suficientes para aprová-la. Temer disse que conversou sobre isso com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

"Evidentemente, temos que ver se tem votos. Se não tiver votos, não tem sentido colocar (em votação). Essa é a principal ideia. Eu acho que vai ser agora pelo que estou sentindo. Estou animadíssimo", disse Temer antes de almoçar  no Itamaraty com o presidente boliviano, Evo Morales.

O presidente afirmou que, se a reforma passar, será necessário revisar as regras da aposentadoria em até dez anos. Do contrário, o próximo  presidente teria que promover uma reforma mais pesada no prazo de dois anos.

"Eu sinto que o povo já  está  compreendendo a indispensabilidade da Previdência. Você faz uma reforma agora para fazer outra daqui a oito ou dez anos ou então tem que fazer uma daqui a um ou dois anos inteiramente radicalizada. Muito mais pesada do que aquela que faria hoje", disse. 

"Houve um bom esclarecimento sobre a reforma da Previdência, porque no primeiro momento houve uma campanha equivocada contra."

++‘Municípios terão R$ 3 bi se reforma for aprovada’, diz Eliseu Padilha

O presidente da República afirmou que seu partido, o PMDB, vai tentar  fechar questão  para obrigar deputados a votarem a favor da reforma. Segundo ele, o PP e o PTB sinalizaram que farão o mesmo. "Há uma tentativa do PMDB de fechar questão, o PP talvez também feche. O PTB está fechando."

Temer disse que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), está disposto a votar a reforma em fevereiro de 2018, se aprovada na Câmara ainda neste ano. O presidente disse que, por enquanto, não haverá  mais liberação de verbas em troca de votos, além dos R$ 3 bilhões anunciados ontem para prefeitos e condicionados à aprovação da reforma pelos parlamentares.

O presidente minimizou as críticas do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, à  indecisão do PSDB quanto à reforma. "Ele fez uma declaração de acordo com as concepções dele. Mas nada agressivo com relação ao PSDB. Foi uma análise sociológica", disse Temer. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.