FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Temer aposta em 'fim da preocupação eleitoral' para votar reforma da Previdência após outubro

Em encontro com empresários em Nova York, Temer afirmou que vai tentar emplacar a reforma da Previdência após processo eleitoral

Beatriz Bulla e Ricardo Leopoldo, O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2018 | 14h55

NOVA YORK- O presidente Michel Temer disse que o fim da "preocupação de natureza eleitoral" por parte de parlamentares, depois das eleições de outubro, abre espaço para tentar votar a reforma da previdência nos meses finais do seu governo.

Vou tentar. Acho que pode ser possível porque os deputados e senadores não terão mais aquela preocupação eleitoral", disse Temer ao deixar almoço com empresários brasileiros e americanos em Nova York, no qual se comprometeu a tentar emplacar a reforma após as eleições.

"Nós temos dois meses pela frente, a reforma está formatada. Evidentemente vai depender também das conversas que eu tiver com o presidente eleito", disse. Em maio, durante entrevista ao Estado, o presidente já havia indicado que pretendia retomar o trabalho junto a parlamentares para garantir a votação da reforma após as eleições de outubro.

Nesta segunda-feira, 24, em Nova York, Temer disse à imprensa que a reforma pode ter saído "momentaneamente da pauta legislativa, mas não saiu da pauta política".

Ao falar sobre eleições, ele afirmou ainda que não há espaço para alternativas políticas à democracia no País. "Hoje não existe no Brasil qualquer espaço político para que prosperem alternativas ao estado democrático de direito", afirmou. "Nós consolidamos três consensos fundamentais (desde a Constituição Federal de 1988): primeiro, em torno da democracia. Depois, em torno da estabilidade macroeconômica. E em torno do imperativo das políticas sociais", afirmou o presidente. Ele disse que não tem a intenção de "prever cenários", mas sim apresentar elementos sobre a dinâmica brasileira.

"Vamos ser bastante objetivos, o fato é que os principais candidatos podem discordar sobre muita coisa, mas coincidem quanto a cada um dos três contextos. Nenhum deles pôs em dúvida a democracia, e nem haveria espaço para isso", disse Temer, garantindo aos empresários que "não haverá volta atrás" em reformas empreendidas em seu governo, como a trabalhista ou o teto dos gastos públicos. "As (reformas) que ainda estão por fazer são inevitáveis", disse, em menção à reforma tributária e da Previdência.

O presidente fez um balanço de seu governo, destacando o que considerou reformas, marcos regulatórios em infraestrutura e avanços econômicos que, segundo ele, fizeram a inflação recuar, a taxa básica de juros cair e o desemprego estancar. "Nós vencemos a crise", disse Temer, ressaltando que o Brasil é um país atrativo para investidores.

"O nosso governo prestigiou e prestigia a iniciativa privada, tanto a nacional, como a estrangeira. Sabemos que o estado não pode e nem deve fazer tudo, é o setor privado que cria emprego, riqueza e renda. Esse é o novo Brasil que estamos construindo", disse o presidente.

Temer destacou o mercado de 208 milhões de consumidores, agricultura "avançadíssima e competitiva" e um parque industrial "moderno e diversificado".

"E há um fato político importante, nós estamos distantes de focos de tensão geopolíticas, nós vivemos em paz com nossos vizinhos", disse Temer. Aos investidores e empresários, ele afirmou que as instituições brasileiras são "fortíssimas".

Ele falou sobre a emenda que estabeleceu um teto nos gastos públicos como uma das formas de "encarar" os problemas. "O que nós fizemos foi reduzir os gastos, estabelecer um teto, e o fizemos com grande responsabilidade. A emenda constitucional que aprovamos prevê um prazo mínimo de dez anos para que possa haver uma revisão", disse Temer.

O presidente falou que "os empregos estão voltando" no Brasil e que a reforma trabalhista foi uma iniciativa para tornar a legislação adequada aos tempos contemporâneos. Segundo ele, a reforma foi feita através de diálogo com o Congresso e setores produtivos.

O evento foi organizado em Nova York pela Brazil-U.S. Business Council. Amanhã, Temer faz o discurso de abertura da 73ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Participam da comitiva de Temer os ministros Moreira Franco (Minas e Energia), Ronaldo Fonseca (Secretaria-Geral), Aloysio Nunes (Itamaraty) e Sérgio Etchegoyen (SGI) e os embaixadores Mauro Vieira (embaixador do Brasil junto à ONU) e Sérgio Amaral (embaixador do Brasil em nos EUA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.