André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Bolsa

E-Investidor: As 10 ações com maior potencial de queda, na visão do mercado

Temer fará análise de texto de recuperação fiscal para os Estados

Presidente pode mudar ou vetar projeto aprovado na Câmara nesta segunda; deputados excluíram contrapartidas de compromisso dos Estados socorridos com o pagamento das dívidas

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2016 | 18h14

BRASÍLIA - O líder do governo, André Moura (PSC-SE), afirmou que o presidente Michel Temer vai fazer uma análise do texto da renegociação da dívida dos Estados e do regime de recuperação fiscal que foi aprovado nesta terça-feira, na Câmara e segue para sanção presidencial. 

"O governo vai fazer uma análise daquilo que foi aprovado. O governo cumpriu sua parte no acordo, mobilizou sua base, trabalhou para trazer socorro ao Estados nesse momento de crise, contando com essas contrapartidas. A Câmara modificou essas contrapartidas e o governo vai fazer uma análise disso", afirmou Moura. 

O presidente tem o poder de vetar artigos, parágrafos ou a íntegra do projeto. Moura não afirmou, nem negou, claramente que Temer irá vetar algum trecho da proposta. 

A Câmara aprovou o regime de recuperação fiscal para os Estados em situação de calamidade fiscal, como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Entretanto, os deputados excluíram do texto contrapartidas que representavam um compromisso dos estados socorridos com o pagamento de suas dívidas.

"Não adianta o governo socorrer os Estados se eles não cumprirem com sua parte e não tiverem as ferramentas para poder impor os limites para não gastar mais do que arrecadam", disse Moura. O líder minimizou a derrota do governo e disse que não houve nenhuma perda. "Não houve derrota. Todos os partidos da base do governo orientaram pela aprovação do relatório."

Tudo o que sabemos sobre:
Estados da UniãodívidaMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.