Temer: leilão de Libra será feito 'de qualquer maneira'

O vice-presidente da República, Michel Temer, disse não acreditar que os protestos contra o leilão de Libra possam prejudicar a realização do evento e lamentou que haja violência nas manifestações. "Não acredito (que protesto prejudique o leilão). Acho que será feito de qualquer maneira", avaliou o vice-presidente na manhã desta segunda-feira, 21, ao deixar o prédio da Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), no bairro da Liberdade, onde se reuniu com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, e dirigentes da faculdade.

BEATRIZ BULLA, ADRIANO BARCELOS E ANTONIO PITA, Agencia Estado

21 de outubro de 2013 | 13h01

O leilão acontecerá às 14h, no Rio de Janeiro. Até o momento, já há participação de black blocs no protesto contra o leilão e dois manifestantes e um policial ficaram feridos. "Eu lamento porque essas coisas não podem acontecer. Não pode haver violência nas manifestações. O que pode haver é manifestação declarando a posição", respondeu o presidente, ao ser questionado sobre o assunto.

Manifestantes depredaram abrigos de ônibus na Avenida Lúcio Costa, onde fica o Hotel Windsor, local do leilão. Várias lixeiras também foram queimadas. O grupo é formado por cerca de 400 pessoas, entre eles black blocs e sindicalistas.

Tudo o que sabemos sobre:
pré-salleilãoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.