AFP
AFP

Temer negocia acordos de cooperação e facilitação de investimentos na Índia

Presidente afirmou que há grande interesse de empresários brasileiros na Índia e que intenção é incentivar empresários indianos a aplicarem no Brasil

Ricardo Leopoldo, enviado especial, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2016 | 10h26

ÍNDIA - O presidente Michel Temer afirmou que na visita oficial que fez à Índia foram concluídas negociações do acordo de cooperação e facilitação de investimentos que ampliará a segurança jurídica para os investidores. "Aliás, nesta reunião de empresários que fizemos verificamos o grande interesse de empresários brasileiros de aplicarem aqui seus recursos na Índia e estamos incentivando os empresários indianos a aplicarem no Brasil", destacou. 

Segundo Temer, a integração de empresários indianos com a economia brasileira se torna ainda mais oportuna neste momento, quando o governo lançou o programa Crescer, que conta com 34 projetos de concessões públicas em aeroportos, portos, rodovias, ferrovias e projetos no setor de óleo e gás. "E neste sentido temos tido o apoio do Congresso Nacional nas ações referentes a esta legislação. 

O presidente Michel Temer ainda afirmou que nos diálogos que manteve com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, conversaram também sobre iniciativas na área ambiental, sobretudo referente a energias renováveis. "Registramos que o primeiro-ministro Modi lançou recentemente a Aliança Solar Internacional e o Brasil está impulsionando a chamada plataforma para o bio-futuro, planos que podem se complementar", disse. 

"Daí porque renovamos o apoio do Brasil à Aliança Solar Internacional. Confio na integração dos empresários brasileiros de um lado, com os indianos, e por outro lado, numa interação muito sólida entre o governo brasileiro, os agentes públicos brasileiros e os agentes públicos indianos", destacou Temer.  

O presidente disse que convidou Modi para uma visita oficial ao Brasil. "Disse-lhe que sua presença ao Estado brasileiro seria extremamente útil para o povo brasileiro, mas particularmente para o nosso governo." 

Michel Temer destacou que a visita oficial à Índia relançou a parceria estratégica, que se voltará para uma inserção mais competitiva nos mercados globais e para o desenvolvimento de ambas as sociedades. "Esperamos que esta nossa visita incremente cada vez mais nossas relações."

Protecionista. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que a Índia "é muito protecionista" em relação à compra de produtos agrícolas do Brasil. Para ele, o país impõe barreiras fitossanitárias, que, na prática, não têm fundamentos técnicos. Segundo o ministro, autoridades brasileiras enfatizaram ao primeiro-ministro, Narendra Modi, que o mundo não vive só de regulamentos; é pautado pelo comércio, que em última instância é determinado por decisões políticas.

"Se a Índia quiser o Brasil como um parceiro estratégico precisa tirar as barreiras fitossanitárias. Elas não existem. O que existe é política de não querer importar do Brasil ou dar preferência para outro país", disse o ministro. De acordo com Maggi, Modi entendeu a mensagem e disse que fará as gestões politicas necessárias para resolver o problema. "Vamos ver se o Brasil consegue ampliar seu mercado de alimentos para a Índia, pois é uma grande importadora do produto." O ministro disse que o Brasil não consegue exportar para o país asiático aves, suínos e maçãs.

De acordo com a autoridade brasileira, uma área do governo da Índia, a mais tradicional, acha que o pais não precisa importar e consegue produzir o que necessita. "Há a ala que prevê o futuro da Índia, com a entrada de mais de 15 milhões de pessoas por ano para se alimentar, que defende ser preciso importar", disse. Segundo ele, há na Índia uma espécie de disputa por qual caminho a ser seguido e o Brasil está à espreita para ocupar esse mercado.

Maggi destacou que durante a visita oficial do presidente Michel Temer ao país asiático o Brasil assinou com a Índia um acordo importante na área pecuária, de transferência de material genético da Índia. "Todo o rebanho brasileiro é de origem indiano. E desde 1950, o Brasil não importa mais gado daqui. Portanto, a nossa variabilidade genética tem sido diminuída nos últimos anos. Com a entrada deste novo material vamos dar um choque na pecuária brasileira e iremos ganhar produtividade."

O ministro destacou que a Índia procura um fornecedor de lentilhas em grande quantidade, dado que é um alimento muito consumido por sua população e que precisará importar 30 milhões de toneladas por ano a partir de 2030. "Vamos começar, a partir de um acordo que fizemos aqui, transferir material genético para investigar no Brasil onde seria a melhor região de produção. Esse negócio pode gerar US$ 6 bilhões por ano em exportações de lentilha do Brasil para a Índia", disse. Maggi destacou que a empresa indiana UPL deve investir R$ 1 bilhão em um ano em Camaçari para produzir agroquímico genérico. 

De acordo com o ministro, o Brasil está estimulando a Índia a entrar em um programa de produção de etanol e apontou motivos: "Um deles é ambiental. Um segundo é que quando os preços do açúcar começam a cair muito, eles continuam em queda porque a oferta aumenta. Para ele, quem faz etanol a partir de cana-de-açúcar, como o Brasil, tem a possibilidade de interromper essa queda do preço do açúcar. "Os empresários brasileiros querem que a Índia faça isso para que possamos segurar o preço do açúcar e ter uma commodity sem tanta variação de preço como foi registrado nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.