'Números mostram insignificância, mas deve haver punição', diz Temer sobre fraude em carne

Em discurso na conferência do Conselho das Américas, o presidente destacou que apenas três dos mais de 4 mil frigoríficos do País tiveram suas atividades suspensas

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2017 | 09h25

O presidente Michel Temer (PMDB) afirmou nesta terça-feira, 21, que os números mostram a "insignificância dos fatos" relacionados à Operação Carne Fraca. Em discurso na conferência do Council of The Americas (Conselho das Américas), o presidente disse que 'apesar da insignificância', os fatos não devem ser patrocinados, é preciso haver apurações e punições aos envolvidos.

Temer citou que das 4.383 plantas frigoríficas do País, apenas três tiveram suas atividades suspensas por causa das investigações e apenas "18 ou 19" estão sendo objeto de apuração. Ele ainda lembrou que dos 11300 servidores do Ministério da Agricultura, apenas 30 estão sendo investigados e destacou que, em seis meses, o Brasil enviou entre 860 mil e 880 mil partidas de proteína animal para o exterior e apenas 184 foram reanalisadas.

O presidente sustentou que as investigações trouxeram “embaraço econômico” para o País com um alarde que prejudica os produtores brasileiros. Temer comemorou ainda o fato de a Coreia do Sul ter desistido de barrar a carne brasileira.

“Não podemos deixar propagar impunemente um alarde que prejudica os produtores brasileiros”, disse. “Tivemos grande alarde em relação à carne brasileira e, evidentemente, isso causa, não posso deixar de registrar, um embaraço econômico para o País”, argumentou.

O presidente contou ter recebido um telefonema do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no último sábado e relatou que o mandatário americano se mostrou muito interessado nas relações comerciais entre os dois países. Temer lembrou que o Brasil exporta proteína animal para 150 países, entre os quais os EUA.

“Temos até empresas lá estabelecidas. A carne brasileira é sempre muito enaltecida por quem tem o paladar para apreciá-la”, continuou.

“Houve uma pronta e eficaz ação do governo federal. E hoje tivemos uma boa notícia, já que a Coreia do Sul decidiu eliminar a suspensão de compra da carne brasileira, devido à essa pronta resposta das autoridades”, afirmou. “Se há desvios, eles devem ser apurados e servidores do Ministério da Agricultura foram dispensados ainda ontem”, acrescentou.

(NATHÁLI LARGHI, EDUARDO RODRIGUES, ANNE WARTH, TÂNIA MONTEIRO)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.