Temor com desaceleração da China dita rumo dos negócios pelo mundo

Investidores ficaram cautelosos com a afirmação de que o país poderá crescer, em média, 7% nos próximos 5 anos 

Economia & Negócios,

20 de março de 2012 | 18h22

SÃO PAULO - As preocupações com o ritmo de crescimento da China deixaram os mercados financeiras cautelosos em todo o mundo, empurrando as bolsas para baixo.

O ex-conselheiro do Banco Popular da China, (PBOC, banco central chinês, na sigla em inglês) Xia Bin, afirmou esperar um crescimento médio de 7% na economia chinesa nos próximos 5 anos.

Segundo Xia, a desaceleração da economia deve levar Pequim a acompanhar os riscos no mercado imobiliário do continente. Xia disse, ainda, considerar improvável que a taxa anual de crescimento da China caia abaixo de 6%, mesmo com a desaceleração do crescimento global, dado o aumento do poder aquisitivo local.

A decisão do governo chinês de elevar os preços dos combustíveis também pesou sobre os negócios, renovando o receio quanto a um arrefecimento mais acentuado da segunda maior economia do mundo.

Por fim, o presidente da divisão de minério de ferro da mineradora australiana BHP Billiton, Ian Ashby, disse que a demanda da China por minério de ferro está "se achatando" e isso atingiu em cheio os preços das commodities e das moedas de países exportadores de matérias-primas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.