Temor de demissões na Opel gera protesto na Espanha

Mais de 15 mil pessoas tomaram as ruas de Zaragoza, no Nordeste da Espanha, neste sábado para protestar contra os temidos cortes de empregos na fábrica local da montadora alemã Opel. A companhia, que era uma unidade da norte-americana General Motors, foi comprada pela fabricante de autopeças canadense Magna International.

AE, Agencia Estado

19 de setembro de 2009 | 15h12

Sob o acordo, anunciado em 10 de setembro, a GM aceitou vender uma fatia de 55% da Opel para a Magna e o banco estatal russo Sberbank. A companhia norte-americana vai reter 35% da Opel e os funcionários controlarão o restante. O acordo cobre todas as operações da GM na Europa, com exceção da unidade sueca Saab.

Como a Magna espera eliminar cerca de 10 mil empregos, existem preocupações em toda a Europa sobre onde os cortes serão feitos. A Opel tem cerca de 7 mil empregados na fábrica localizada na cidade de Figueruelas, perto de Zaragoza.

O prefeito de Zaragoza, Juan Alberto Belloch, pediu que o primeiro-ministro espanhol, José Luís Rodríguez Zapatero, se envolva pessoalmente no debate. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GMdemissõesEspanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.