Temor sobre crédito ressurge e derruba mercados na Ásia

As principais bolsas asiáticastiveram forte queda nesta terça-feira depois quedesvalorizações acentuadas nas ações da Fannie Mae e FreddieMac, por conta de receios sobre financiamentos, fez osinvestidores lembrarem da fragilidade dos mercados globais decrédito. O petróleo subia para 142,44 dólares o barril apesar dospronunciamentos do G8 de que a economia global pode desaquecerainda mais por conta do alto preço da commodity, destacando ostemores de inflação. Um relatório do Lehman Brothers afirmou que uma alteraçãocontábil pendente pode forçar as duas maiores financiadorasimobiliárias dos Estados Unidos a levantarem juntas 75 bilhõesde dólares em capital. Isso fez as ações do setor financeiro norte-americanocaírem ao pior patamar em cinco anos, alimentando rali em bônusgovernamentais e afetando o apetite por risco. "Com a fraqueza do mercado norte-americano no overnight eas preocupações com o setor financeiro, há temores de contágiona Ásia", afirmou Malcolm Wood, estrategista de ações asiáticasdo Morgan Stanley em Hong Kong. "Até agora os efeitos do contágio ficaram confinados aosmercados, sem atingir a economia real, mas se isso continuarpor muito tempo pode acontecer", explicou. Às 8h15 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúnemercados da região Ásia-Pacífico tinha queda de 2 por cento, a115 pontos. O índice Nikkei, da bolsa de TÓQUIO fechou em baixa de 2,45por cento, em 13.033 pontos, pior nível em três meses. OMitsubishi UFJ Financial Group, maior instituição financeira dopaís, recuou 3,4 por cento. O índice Hang Seng, da bolsa de HONG KONG despencou 3,16por cento, para 21.220 pontos, com o HSBC e a China Mobile sedestacando entre as perdas. Na Coréia do Sul, a bolsa de SEUL recuou 2,93 por cento,para 1.533 pontos. O mercado de SYDNEY perdeu 1,39 por cento, em 4.932 pontos.XANGAI foi na contramão e subiu 0,81 por cento. TAIWANdespencou 3,94 por cento e CINGAPURA teve baixa de 1,62 porcento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.