Taba Benedicto/Estadão
Juliana: mudança das empresas não tem volta Taba Benedicto/Estadão

‘Temos de buscar ações de reparação’, diz presidente da Procter & Gamble Brasil

Pandemia acelerou necessidade de tomada de posições de governos, empresas e indivíduos, afirma executiva

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Presidente da operação brasileira da multinacional de bens de consumo Procter & Gamble – gigante corporativo que faturou US$ 70 bilhões no ano passado –, a executiva Juliana Azevedo acredita que a pandemia de covid-19 aumentou a exigência de posicionamento de grandes companhias ao redor do mundo, pois atingiu de forma desproporcional justamente os grupos sociais mais frágeis. “Temos de trabalhar por ações afirmativas e reparadoras”, afirma.

A pandemia acelerou a necessidade de se adotar causas?

Sim. A pandemia e o assassinato de George Floyd (que foi morto por um policial nos EUA) realmente catapultaram a tendência da sociedade em tomar posição. Não basta você não ser racista, você tem de ser antirracista, tem de trabalhar por ações afirmativas e reparadoras. 

E é inevitável que uma grande companhia adote isso hoje?

Eu tenho a sorte de atuar em uma empresa que há muito tempo pensa em propósito. Desde o século 19, mulheres já estavam nas gerências de fábricas da P&G. E temas da comunidade LGBTQIA+ já eram tratados, com outra nomenclatura, desde os anos 1970. Então, temos essa preocupação vindo de dentro. E a pandemia acelerou isso: a consciência de que a responsabilidade de uma empresa não é só funcional. Adotar causas sociais é um caminho que não tem volta. O momento é uma oportunidade de intensificar isso, de trazer outras empresas (para o debate).

O que a P&G já conseguiu construir, internamente, em termos de diversidade?

Temos 40% de mulheres (na nossa equipe), 50% na liderança de gerência para cima e 50% entre os CEOs (das operações ao redor do mundo). Nós temos uma fluidez em relação a esse assunto, mas não temos medo de apresentar nossas vulnerabilidades. Agora, temos o desafio de ter 100% de nossas embalagens plásticas recicláveis ou feitas de material reciclado. 

Com o movimento #PrideSkill, a P&G quer servir de exemplo a outras empresas?

A gente vê nossa posição com responsabilidade, no sentido de que não temos apenas de manter (o ritmo), mas acelerá-lo. O desemprego na comunidade LGBTQI+ é de mais de 20%, enquanto o da população em geral é de 14,4%. As minorias – e também as maiorias minorizadas, como as mulheres – acabam sofrendo mais em tempos de crise como o atual.

Qual é o objetivo da plataforma de diversidade?

O aspecto (da orientação sexual) é parte do que as pessoas são. E há, sem dúvida, um preconceito estrutural. Tanto que 30% das empresas dizem que não contratariam (pessoas LGBTQIA+) para cargos de alta liderança. Então, nossa campanha é para sugerir e recomendar que as pessoas coloquem em seu currículo a questão do #PrideSkill como uma habilidade. É um programa de longo prazo. Muitas das nossas intervenções sociais têm se tornado plataformas para promover transformações duradouras. E estamos preocupados também com a comunidade trans, que é um grupo (dentro da comunidade) que sofre ainda mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Empresas veem apoio a causas sociais e diversidade como caminho sem retorno

Após movimentos relacionados à vacinação, ao meio ambiente e à questão racial, oposição a projeto de lei que previa a proibição de representação LGBTQIA+ na propaganda reuniu 800 empresas e deixou clara a tendência de tomada de posição do setor corporativo

Fernando Scheller, Heloísa Scognamiglio e Wesley Gonsalves, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Em um ano de pandemia, o País viu empresas doando bilhões de reais para o combate aos efeitos sociais e econômicos da crise sanitária, bancos se unindo para banir os pecuaristas que desrespeitam leis ambientais e, mais recentemente, centenas de companhias juntas para acelerar a vacinação contra a covid-19. O movimento, que já parecia forte, chegou ao ápice na última semana, em meio a uma mobilização que reuniu nada menos que 800 empresas em torno da defesa da diversidade e para derrubar um projeto de lei que tentava restringir a representação da comunidade LGBTQIA+ (lésbicas, gays, bissexuais, trans, queer, intersexuais e assexuais) na publicidade. 

Mas por que tantas empresas, que antes se mantinham silenciosas, de repente decidiram se posicionar? O executivo Walter Schalka, presidente da gigante de papel e celulose Suzano e com quatro décadas de experiência no mundo corporativo, acredita que o setor produtivo se deu conta que não existe de forma apartada ao que ocorre fora de suas salas de reunião. “Ficou claro, enfim, que ganhar eficiência e produtividade só dentro da empresa não basta. E que não teremos uma sociedade justa se não endereçarmos os problemas sociais e estruturais do País.”

Dentro dessa busca por uma sociedade mais equilibrada, as empresas têm adotado uma miríade de causas. O grupo Mulheres do Brasil, presidido por Luiza Helena Trajano – também líder do Unidos pela Vacina –, busca a inserção feminina em cargos de liderança, mas também levanta a bandeira da igualdade racial. O Magazine Luiza, aliás, lançou um programa de trainees voltado só a candidatos negros, para corrigir o que identificou como uma falha estrutural de sua equipe, que só tem 16% de líderes negros – e acabou seguido por outras companhias.

A tendência de olhar para fora se refletirá, cada vez mais, no que se valoriza da porta para dentro das empresas, segundo especialistas. Já há um movimento forte de extensão do conceito de licença-paternidade – para que os homens participem mais dos primeiros meses de vida dos filhos – e de definição de bônus a partir de metas ESG (sigla em inglês para ações nas áreas ambiental, social e de governança).

Sem retorno

Segundo especialistas, às empresas resta aderir aos novos tempos ou correr o risco de ficar para trás. Para o secretário executivo do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, Reinaldo Bulgarelli, a ação coletiva de marcas contra o PL 504 – de autoria da deputada estadual Marta Costa (PSD), que citava “inadequada influência” na propaganda – está inserida neste contexto. “De dois anos para cá, há um movimento mais vigoroso. Dou muito valor a essa mudança, porque as empresas entenderam que elas não podem ficar entregues a esse tipo de projeto. É um posicionamento de direitos humanos.” 

Entre as empresas que se posicionaram contra o projeto, estão multinacionais (como a P&G), bancos (Itaú Unibanco), varejistas (Riachuelo), consultorias (PwC) e a locadora Localiza. Na quarta-feira, diante das reações, o texto foi retirado da pauta de votação e voltou para a fase de análises nas comissões.

Segundo Leandro Camilo, sócio e líder de inclusão e diversidade da PwC, esses e outros movimentos de diversidade refletem uma exigência da sociedade que consome produtos e serviços dessas empresas. “Hoje, existe uma maior disposição das empresas nesse sentido. Ainda há grandes desafios, mas esse ‘barulho’ contra o PL 504 reflete esse maior comprometimento do empresariado com essa causa que é tão importante”, diz o executivo. “As companhias estão começando a entender que fazem parte não só dos problemas, mas principalmente das potenciais soluções.”

Causa x marketing

Mas será que todos os movimentos em relação à inclusão em todos as suas formas são sinceros ou só uma forma de tentar agradar? Para Herbert Steinberg, presidente da consultoria Mesa Corporate, é preciso tomar cuidado com discursos vazios. “Você não vai ver ninguém hoje dizendo que não apoia um programa de diversidade ou de governança porque isso pega mal. Mas, daí a essas empresas serem realmente aderentes a esse princípio, é algo completamente diferente.”

Adotar essa variedade de causas sociais – de preferência, escolhendo aquelas que têm maior aderência a seu posicionamento – será também uma política comercial para as empresas, segundo Steinberg. “Não dá para ir contra a maré. É necessário entender as questões culturais e o que está acontecendo no mercado. E traduzir esse pensamento em ações, no orçamento, fazendo uma discussão de propósito.”

Novos CEOs podem trazer ventos da mudança

À medida que empresas trazem uma nova geração para posições executivas, a diversidade ganha mais um vetor de incentivo. A gigante siderúrgica Gerdau, por exemplo, passou a fazer parte do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+. Segundo Reinaldo Bulgarelli, secretário executivo da entidade, a adesão está ligada à mudança de comando na empresa, que passou a ter Gustavo Werneck como CEO.

A Gerdau afirmou ao Estadão ter a ambição de se tornar uma das indústrias mais inclusivas. Desde 2019, realiza um programa de diversidade com cerca de 700 funcionários. A empresa tem um grupo interno voltado ao combate ao preconceito e, recentemente, preparou uma cartilha para garantir a inclusão em processos seletivos.

Agência de empregos fala em maior adesão das empresas

Cofundadora de uma consultoria especializada em inclusão e diversidade e da agência TransEmpregos, que tem a missão de incluir a comunidade trans no mercado de trabalho, Maitê Schneider, de 50 anos, diz que o interesse das grandes companhias em relação à diversidade viveu um momento de “divisão de águas” na última semana na esteira da derrubada do projeto de lei 504 – que tentava restringir a veiculação de publicidade com representação da comunidade LGBTQI+ – na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). “Está acontecendo um ponto de mutação”, diz a especialista.

Segundo Maitê, a própria trajetória da TransEmpregos pode ser vista como evidência da velocidade que o debate sobre diversidade está ganhando nos últimos meses. “A TransEmpregos acabou de fechar 837 empresas parceiras nesses sete anos de atuação. E as últimas 200 empresas entraram nos últimos dois meses. Então, olha a velocidade (aumentando)”, explica. “A gente acabou de fechar hoje com a Amazon. Então, está acontecendo.”

No fim das contas, o projeto de autoria da deputada Marta Costa (PSD), que tinha o objetivo de restringir a diversidade, foi, na visão de Maitê, um “mal que veio para o bem”. Ela diz que o total de empresas em busca de orientação sobre inclusão triplicou no LinkedIn ao longo da última semana. “Eu acredito que não só para LGBTQIA+, mas para (outras) pessoas, para grupos que são mais vulneráveis, marginalizados, o acesso vai ser mais potente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

‘Setor privado deve ser um agente de transformação', diz presidente da Natura

Para João Paulo Ferreira, empresas podem ajudar a estabelecer pontes para o diálogo

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Para João Paulo Ferreira, presidente da Natura & Co. América Latina, promover o respeito à comunidade LGBTQIA+ e demais grupos sub-representados é fundamental para a construção de uma sociedade mais justa e próspera. Segundo ele, o apoio à derrubada do PL 504 representa um novo patamar de apoio à causa. Veja os melhores momentos da conversa. 

A empresa acredita que, de forma geral, o meio corporativo deve se posicionar sobre questões como diversidade e causas sociais?

O setor privado deve ser um importante agente de transformação social. As empresas podem ajudar a estabelecer pontes para o diálogo. A crise atual (da covid-19) é um chamado à atuação das empresas, ao nos lembrar, mais do que nunca, que estamos todos interconectados e somos interdependentes. Sem a universalização da vacinação, ampliaremos o fosso social e as divisões que tornam o Brasil um país tão desigual e injusto.

Além da diversidade e da causa ambiental, quais outras causas a Natura abraça?

Por meio do Instituto Natura, atuamos para contribuir com a educação pública de qualidade. O apoio se dá com uma linha de produtos chamada Crer para Ver, cujo lucro obtido pelas vendas é 100% direcionado a iniciativas educacionais promovidas pelo nosso instituto. Em 2020, a arrecadação superou R$ 70 milhões. Outra causa importante neste momento é o combate à violência contra mulheres e meninas, uma das frentes de atuação do Instituto Avon. 

O apoio à derrubada do PL 504 representa um novo patamar de apoio à causa LGBTQIA+ pelas empresas?

Acredito que sim, e isso é resultado de um aumento do debate em relação a temas e causas sociais importantes, entre elas a diversidade. Não há, e não pode haver, espaço para retrocesso nessa pauta. Os consumidores estão cada vez mais conscientes e atentos a companhias que alinham práticas aos seus discursos – e também cobram que as empresas se posicionem cada vez mais. É preciso honrar a diversidade presente na sociedade.

Por que a causa LGBTQIA+ é relevante para a Natura?

Promover o respeito à comunidade LGBTQIA+ e demais grupos sub-representados é fundamental para a construção de uma sociedade mais justa e próspera. Esse valor está expresso em nossas crenças há décadas e presente em nossas campanhas publicitárias e projetos patrocinados, incentivando o orgulho de ser e amar quem quiser. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Natura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

‘Causas sociais têm papel importante na sociedade’, diz presidente do Boticário

Para Fernando Modé, diversidade é o único caminho para a real inovação

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Fernando Modé, presidente do Grupo Boticário, diz que a estratégia de diversidade da empresa inclui temas como equidade racial, de gênero e de pessoas com deficiência, além de apoio à causa LGBTQIA+. "Sabemos a influência que a indústria da beleza exerce no imaginário dos consumidores e acreditamos que esse impacto precisa ser real e positivo", diz ele. Confira os melhores momentos da entrevista.  

Como respeitar a diversidade ajuda o negócio? 

A gente acredita que a diversidade é o único caminho para a real inovação. As perspectivas de diferentes vivências tornam todas as nossas entregas mais completas. A licença parental para todos os nossos colaboradores é um bom exemplo de como os aprendizados internos se tornam ações: a implementação da iniciativa era avaliada há dois anos, mas ganhou um estímulo extra do Grupo de Afinidade Lado a Lado, que atua na frente de equidade de gênero.

O que mais compõe a política da empresa para a questão da diversidade? 

Além da questão LGBTQIA+, completam nossa estratégia (de diversidade) os temas equidade racial, de gênero e de pessoas com deficiência. Além do nosso time de diversidade e pessoas, nessa jornada também contamos com a colaboração dos grupos de afinidade – equipes voluntárias dos nossos próprios colaboradores. Sabemos a influência que a indústria da beleza exerce no imaginário dos consumidores e acreditamos que esse impacto precisa ser real e positivo. 

A empresa acredita que, de forma geral, o meio corporativo deve se posicionar sobre essa e outras causas sociais?

O Grupo Boticário foi pioneiro em se posicionar sobre causas socioambientais. Nossa história de 44 anos sempre esteve muito conectada com o humano e com o sustentável.

Como viu o caso envolvendo o PL 504, recebido pelo mercado como ameaça à diversidade? 

Acreditamos que as causas sociais têm um papel muito importante na transformação da sociedade. Abraçar os movimentos que falam de diversidade, representatividade e inclusão não é novidade para nós. Ao longo dos anos, protagonizamos movimentos e discussões relevantes sobre o tema. Um deles foi a campanha de Dia dos Namorados da marca O Boticário lançada em 2015, em que retratamos diferentes tipos de casais. Em 2020, abandonamos o uso do termo Black Friday. Mais recentemente, em abril, estendemos a licença parental de 120 dias a todos os nossos colaboradores. Certamente, a movimentação nas redes e o endosso de grandes marcas contra a PL 504 influenciaram na revisão do teor da proposta.

Tudo o que sabemos sobre:
O Boticáriodiversidade e inclusão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

P&G usa LinkedIn em nova ação sobre diversidade

Campanha #PrideSkill tenta conectar profissionais LGBTQIA+ com as empresas que se comprometem em oferecer oportunidades para todos

Heloísa Scognamiglio e Wesley Gonsalves, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Na esteira das discussões sobre diversidade, a P&G Brasil decidiu promover o orgulho de ser LGBTQIA+ como uma qualidade a ser adicionada com destaque no currículo. A campanha #PrideSkill, lançada nesta semana, tenta conectar profissionais LGBTQIA+ com as empresas que se comprometem em oferecer oportunidades para todos.

A iniciativa da multinacional tenta encorajar que os profissionais incluam a competência “Pride” no seu perfil profissional do LinkedIn, na tentativa de combater o preconceito que ainda existe no mercado de trabalho. 

A campanha, que conta com o apoio do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, foi desenvolvida em conjunto com o Gable Br (associação que reúne gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e aliados que trabalham na multinacional). A iniciativa também teve a participação da agência de publicidade Grey.

Além de conectar empresas e talentos, o #PrideSkill também vai ajudar a fazer um “censo” sobre todas as minorias que integram a empresa, possibilitando que cada um desses grupos possa ser protegido e acolhido dentro da companhia.

De acordo com a multinacional, o grupo compila apenas dados de gênero e raça dos seus colaboradores, sem recortes sobre diversidade. Atualmente, 40% dos profissionais contratados pela P&G são mulheres e 32% dos colaboradores se autodeclaram pretos ou pardos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Procter E Gamble

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.