Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Temos de equacionar três amarras do País, diz Dilma

Presidente se referiu à taxa de juros, à taxa de câmbio e aos impostos altos e em seguida reforçou o compromisso de defender a produção nacional

Rafael Moraes Moura, da Agência Estado,

20 de abril de 2012 | 13h29

A presidente Dilma Rousseff disse que é preciso equacionar três amarras existentes hoje no País: a taxa de juros, a taxa de câmbio e impostos altos. "Não somos só um País que valoriza o crescimento econômico, valorizamos, sim, precisamos dele, mas sobretudo porque melhoramos a vida do nosso povo e transformamos um povo que era marginalizado e não podia participar dos benefícios do desenvolvimento econômico, transformamos esse povo em consumidor, trabalhador, pequeno empresário, demos a eles oportunidades", disse a presidente durante cerimônia de formatura da Turma 2010-2012 do Instituto Rio Branco.

A presidente reforçou o compromisso de defender a produção nacional. "É esse País que não vai deixar a sua indústria, que é razoavelmente complexa, ser sucateada por nenhum processo de desvalorização de moedas e por guerras cambiais que usam métodos, eu diria assim, não muito éticos", declarou Dilma.

A presidente afirmou que foi importante para o País ter conquistado a sexta posição entre as economias mundiais, mas que isso sozinho não é suficiente, ao defender mecanismos de proteção social. "O que importa é que sejamos do ponto de vista do nosso País, de fato, a sexta economia em matéria de renda per capita e acesso à educação e a serviços públicos de qualidade. É esse país que estamos projetando internacionalmente", disse.

"Num mundo em que a saída da crise tem levado a perda de direitos, precarização do trabalho, a imensas chagas sociais, o Brasil corre em trilha completamente diferente", completou a presidente. Ela reforçou ainda que "não governamos sem olhar o nosso povo. Um país que deixa o seu povo à margem do seu desenvolvimento não é respeitado por ninguém".

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaimpostosjurosprodução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.