Fabio Rodrigues Pozzebom - Agência Brasil
Fabio Rodrigues Pozzebom - Agência Brasil

'Temos perspectiva de liberar recursos do Orçamento', diz Colnago

O ministro do Planejamento disse que o governo deve anunciar uma liberação de recursos na próxima sexta-feira; margem em relação ao teto de gastos deve se aproximar dos R$ 4 bilhões

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2018 | 16h04

BRASÍLIA - O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, confirmou nesta quarta-feira, 19, que o governo deve anunciar uma liberação de recursos do Orçamento na próxima sexta-feira, quando será divulgado o relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas.

O ministro evitou antecipar números, mas o Broadcast mostrou na terça-feiras que a "folga" em relação ao teto de gastos deve se aproximar dos R$ 4 bilhões. Em relação à meta fiscal, que permite um déficit de R$ 159 bilhões, a margem deve ser o dobro, próxima dos R$ 8 bilhões.

"Tem uma perspectiva efetivamente de haver liberação de recursos. Os valores serão anunciados na sexta-feira", afirmou o ministro após receber homenagem do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). "O mais importante desse relatório é consolidar que a situação fiscal deste ano está bem encaminhada. O relatório vai deixar muito claro nesse sentido", acrescentou.

A distribuição dos recursos deve ser discutida ao longo da semana que vem. O governo tem até o dia 30 de setembro para editar o decreto liberando o dinheiro. Segundo Colnago, ainda há grande demanda dos ministérios, e as prioridades serão gastos para manutenção das atividades dos órgãos e despesas obrigatórias.

Com a situação fiscal de 2018 encaminhada, o ministro ressaltou que a equipe econômica está debruçada agora sobre as discussões de como fazer a transição para o próximo governo eleito e quais serão os assuntos que comporão essa agenda. "O governo que for vai ter acesso a amplo conjunto de informações de forma transparente e fácil, a um conjunto de propostas já apresentadas, algumas em tramitação no Congresso, e ao endereçamento para alguns pontos muito importantes e estratégicos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.