Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

'Temos vivido de espasmos de investimentos'

Por muito pouco, a Villanova Engenharia não entrou para o grupo dos "sem contratos". Depois de dez meses sem nenhum novo serviço, a empresa conseguiu firmar dois novos contratos com a Prefeitura de São Paulo para reformar algumas escolas e um prédio antigo. Mas isso não será suficiente para reverter uma queda de 40% no faturamento da empresa neste ano.

RENÉE PEREIRA, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2015 | 02h03

"Foi um ano muito difícil. Antes, fechávamos entre 6 e 10 novos contratos por ano. Agora sofremos para conseguir esses dois", diz o presidente da empresa, José Eduardo da Costa Freitas. Segundo ele, muitas construtoras não estão conseguindo fechar nenhum novo projeto, saindo do setor ou fechando as portas. "O mais complicado é que vamos perder uma mão de obra especializada e quando houver a retomada vamos ter de recomeçar do zero e formar novos profissionais."

Outra que foi salva em novembro foi a Telar Engenharia, que conseguiu um novo contrato com o Metrô de São Paulo para fazer acabamentos nas estações. Mas, segundo o presidente da companhia, Marco Botter, esse serviço só terá retorno nas contas da empresa no segundo semestre de 2016. "Nosso faturamento deve cair em torno de 50% e teremos enorme prejuízo este ano. Temos vivido de espasmos de investimentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.