Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Tempo seco e frio já afeta as pastagens

No oeste de São Paulo, onde condição é mais crítica, umidade do solo já está abaixo de 40% [br]da capacidade total

Ana Maria H. de Ávila, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2011 | 00h00

Uma massa de ar seco foi a responsável pelo predomínio de sol e a redução da umidade do ar em praticamente todas as localidades do Estado, à exceção de Iguape, que registrou 6 milímetros de chuva, por causa da passagem de uma frente fria pelo Oceano Atlântico.

As temperaturas ficaram em torno de 2 graus mais elevadas em relação à semana anterior, mantendo o padrão de grande amplitude térmica diária. Com a ausência de chuva e as temperaturas mais elevadas, aumentou a taxa de evapotranspiração, que oscilou entre 2,2 e 2,7 milímetros por dia. Com isso, diminuiu o armazenamento hídrico do solo. A umidade média no Estado ficou em 55%.

No oeste do Estado, onde a condição é mais crítica, a umidade do solo já está abaixo de 40%, comprometendo o desenvolvimento das pastagens e lavouras. Além do mais, o frio também prejudica o desenvolvimento das pastagens, o que deve contribuir para elevar a oferta de boi gordo, dada a dificuldade de manter os animais no pasto.

O tempo seco favoreceu a maturação da cana, elevando a concentração de sacarose nos colmos e o rendimento industrial. A redução da umidade do solo favoreceu a colheita e o transporte da gramínea. Os produtores estão em plena safra e os preços já podem ser sentidos nas bombas, com a redução do preço do etanol.

A colheita do milho safrinha no Vale do Paranapanema e sul do Estado foi beneficiada. Os produtores reduziram a área plantada, segundo a Conab, mas o preço e a qualidade do produto estão animadores.

Nos cafezais de São José do Rio Pardo, Franca e Garça, o tempo seco favoreceu a maturação dos frutos e a colheita. Com o tempo seco, as atividades de colheita do feijão da seca também seguem em ritmo acelerado em Capão Bonito e Itaberá e já se aproximam do fim.

Frutíferas. Tempo favorável para a colheita da tangerina poncã e murcote, permitindo que os produtores aproveitem o bom momento para cultura nesta safra, com altos níveis de produtividade e bom preço.

Produtores de morango de Jarinu, Monte Alegre do Sul e Atibaia devem começar a colher até o fim do mês. A queda da temperatura noturna das últimas duas semanas retardou a maturação dos frutos, permitindo a formação de frutos maiores e de melhor qualidade.

Café

A 2ª estimativa de produção feita pela Conab indica que o Brasil deve colher 43,54 milhões de sacas (60 quilos). Isto representa redução de 9,5% em relação aos 48,09 milhões de sacas do ciclo anterior. O motivo da redução é a bienalidade do café, que este ano é de baixa.

ANA MARIA H. DE ÁVILA É PESQUISADORA DO CEPAGRI/UNICAMP. PARA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE TEMPO E CLIMA, ACESSE WWW.AGRITEMPO.GOV.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.