Nathi Beserra/Estadão
Nathi Beserra/Estadão

Tendência é manter bandeira verde na conta de luz de fevereiro, diz Aneel

Diretor-geral da agência, Romeu Rufino, ressalta que a decisão depende do volume de chuvas nas regiões dos reservatórios; anúncio oficial será feito na próxima sexta-feira

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2018 | 17h22

BRASÍLIA - O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse que a tendência aponta para a manutenção da bandeira verde nas contas de luz no mês de fevereiro. O anúncio oficial será feito na próxima sexta-feira, 26. A bandeira verde, que não adiciona taxa extra nas contas de luz, entrou em vigor neste mês, após uma sequência de vários meses com cobrança adicional nas faturas.

"A expectativa é seguir com a mesma tendência que está agora, mas isso dependente do volume de chuvas nas regiões que importam, ou seja, nos reservatórios", afirmou Rufino. "A expectativa é seguir com a mesma tendência, pelo menos até agora não há nada que aponte no sentido contrário."

O sistema de bandeiras tarifárias leva em consideração o nível dos reservatórios das hidrelétricas e o preço da energia no mercado à vista (PLD). Essa metodologia está em audiência pública e pode ser alterada no início deste ano.

O modelo reflete os custos variáveis da geração de energia. Antes, esse custo era repassado às tarifas uma vez por ano, no reajuste anual de cada empresa, e tinha a incidência da taxa básica de juros, a Selic. Agora, esse custo é cobrado mensalmente e permite ao consumidor adaptar seu consumo e evitar sustos na conta de luz.

No novo sistema, a bandeira verde continua sem taxa extra. Na bandeira amarela, a taxa extra é de R$ 1,00 a cada 100 kWh. No primeiro patamar da bandeira vermelha, o adicional é de R$ 3,00 a cada 100 kWh. E no segundo patamar da bandeira vermelha, a cobrança é de R$ 5,00 a cada 100 kWh.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.