Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Reforma da Previdência deve ficar para 2019, afirma Bolsonaro

'A reforma que está aí não é a que eu e Onyx Lorenzoni queremos', disse o presidente eleito

Fábio Greller, Anne Warth e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2018 | 18h38

BRASÍLIA E RIO - O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que, após reunião com seu futuro ministro da Economia Paulo Guedes na manhã desta segunda-feira, 12, propostas que promovam mudanças na Previdência provavelmente ficarão para 2019. 

 “A gente acha que dificilmente se aprova alguma coisa neste ano. A reforma que está aí não é a que eu e Onyx Lorenzoni queremos. Tem que reformar a Previdência, mas não apenas olhando números, tem que olhar o social também. O meu trabalho e o seu são diferentes de quem trabalha na construção civil, por exemplo. Tem que ter coração também. Tem que começar com a Previdência pública”, afirmou.

O ministro extraordinário, Onyx Lorenzoni, responsável pela transição no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, também reforçou que as mudanças na aposentadoria devem ficar para o ano que vem. 

Em entrevista no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), onde trabalha a equipe de transição, Onyx disse que o governo Bolsonaro começa apenas em 1º de janeiro de 2019 e reconheceu ter ouvido de "vários parlamentares" que o cenário "não é favorável" a mudanças na Previdência ainda neste ano. 

"Seria ótimo um pequeno avanço na Previdência agora, mas devemos ter clareza e humildade", afirmou. "A tendência é que fiquem para 2019", acrescentou.

Mais cedo, Onyx disse que se reuniu com o secretário de Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano. O ministro extraordinário disse ainda que o deputado federal Pauderney Avelino (DEM-AM), que também esteve no CCBB, trouxe ideias que mudam a Previdência sem que haja necessidade de Propostas de Emenda Constitucional (PECs).

Como não é possível votar PECs enquanto vigorar a intervenção no Estado do Rio de Janeiro, qualquer mudança só poderia ser votada por meio de medidas infraconstitucionais. "Essas propostas serão condensadas e apresentadas a Bolsonaro amanhã", disse Onyx. "Ele (Bolsonaro) vai pensar (sobre as propostas)."

O ministro extraordinário disse ainda que a sociedade espera que qualquer mudança na Previdência venha de uma proposta "duradoura" e que "respeite as pessoas". 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.