Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Tendências: alta do dólar já aparece no IPCA de agosto

A depreciação do real ante o dólar já produziu efeitos no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto, avaliou o economista e sócio da Tendências Consultoria Integrada Juan Jensen. "O câmbio já vem se depreciando desde maio. É natural que o número do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) incorpore esses efeitos", afirmou.

BEATRIZ BULLA, Agencia Estado

06 de setembro de 2013 | 10h48

De acordo com o economista, o impacto significativo do dólar pode ser visto na alta de bens comercializáveis, de 0,43%, bem como na de bens duráveis (0,48%), este último porque utiliza insumos importados."Este ano tivemos uma alta em torno de 20% no câmbio, variação agora mais próxima de 15%, o que implica de 0,75 a 1,0 ponto porcentual na inflação", comentou Jensen. "O problema é que a inflação já vinha operando perto do teto e por isso o Banco Central reage com o aperto de política monetária."

Para o economista, o impacto deve continuar pelos próximos meses. Caso o câmbio se estabilize no nível atual, segundo Jensen, o efeito ainda será visto por mais dois ou três meses. "O BC tem se preocupado com isso, tanto que o aperto monetário está mais longo do que se previa no início", afirmou.

A Tendências projetava alta de 0,27% no IPCA de agosto ante julho, pouco acima do resultado oficial de 0,24% divulgado nesta sexta-feira, 6, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. "O resultado veio um pouco abaixo do que estávamos esperando porque alimentação está caindo mais do que a nossa projeção", explicou.

Tudo o que sabemos sobre:
IPCAIBGEagostoTendências

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.