Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Tenho de pagar o financiamento'

Sem emprego, Damião faz bicos como pintor

Anna Carolina Papp, O Estado de S. Paulo

31 de outubro de 2015 | 16h00

O desemprego chegou recentemente para Damião Rodrigues, de 29 anos. Ele trabalhava como repositor de uma loja, juntamente com a esposa, e foi dispensado há poucas semanas. A primeira preocupação foi honrar os compromissos em relação à dívida do carro. “Logo pensei no meu financiamento, pois ainda faltam 49 parcelas”, conta. “Está longe de acabar, por isso preciso de um emprego.”

Damião mora com a sogra, que é aposentada, e tem uma filha de quatro anos. Sua mulher, também repositora, ganha R$ 1,1 mil por mês. Enquanto procura por um novo posto, o jovem faz bicos para complementar a renda de casa. “Faço qualquer coisa que aparecer, como bicos de pintor, por exemplo”, diz ele, que tem ensino médio completo.

A família, que até então não tinha feito grandes cortes no orçamento, agora vai ter de apertar os cintos. “Vamos parar de comprar roupa, por exemplo”, diz. “Os meus sogros ajudam com as despesas da casa, mas mesmo assim está difícil. A minha sogra reclama que está subindo a conta de energia e o preço dos alimentos no mercado”, afirma. 

Damião expandiu sua busca para além do comércio. “Estou procurando em todas as áreas. Não posso desanimar, sei que vou conseguir algo”.

Tudo o que sabemos sobre:
crisedesempregoclasse C

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.