Tentativa de golpe no BB surgiu de erro de digitação

Polícia Federal prende 23 envolvidos em esquema para roubar até R$ 1 bilhão do Banco do Brasil

Eduardo Simões, da Reuters,

19 de outubro de 2007 | 18h40

O esquema que de um grupo criminoso que tentava aplicar golpes para roubar até R$ 1 bilhão do Banco do Brasil surgiu de um erro de digitação da instituição. A informação foi dada pelo coordenador da Operação Alquimista, da Polícia Federal, que prendeu 23 pessoas nesta sexta-feira, 19.  Segundo Costa, o BB cometeu um erro no informe de rendimentos de um de seus correntistas, um aposentado residente no interior de São Paulo. A partir do informe, posteriormente corrigido pelo banco, os dois auditores fiscais envolvidos na tentativa de golpe fizeram um termo de ação fiscal contra o aposentado.  Com o registro - indicando que o aposentado estaria sofrendo uma cobrança da Receita devido à incorreção em seu informe de rendimentos -, o aposentado tentou convencer o Banco do Brasil a disponibilizar o volume de dinheiro informado no documento errado. O aposentado, que também fazia parte do esquema, foi preso.  Segundo a PF, a operação mobilizou 150 policiais e expediu 24 mandados de prisão e 26 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e no Distrito Federal. Uma pessoa ainda está foragida. A polícia apreendeu R$ 65 mil em dinheiro, além de documentos e computadores que serão periciados. A PF recusou-se a divulgar o nome dos detidos.  Entre eles estão quatro advogados, dois auditores fiscais, dois funcionários do Banco do Brasil, um ex-deputado estadual do Rio de Janeiro e um número não-especificado de doleiros.  De acordo com o delegado Costa, a quadrilha já dispunha de um outro esquema formado por doleiros para distribuir em contas no exterior os recursos caso o golpe tivesse sucesso.  A PF está cruzando os dados da investigação, o que pode levar a novos delitos cometidos pelos doleiros.  Impossibilidade  Segundo a PF, porém, o golpe não seria realizado. "Em momento nenhum haveria possibilidade de saque (desse R$ 1 bilhão)", disse a jornalistas o superintendente da Polícia Federal em São Paulo, delegado Jaber Saadi.  O Banco do Brasil informou, em comunicado, que não teve qualquer perda financeira decorrente da tentativa de golpe.  Os envolvidos, incluindo também um ex-delegado da PF, responderão por corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, tentativa de estelionato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. As penas variam de cinco a 10 anos de prisão. Veja a íntegra da nota do BB:  Com relação à operação Alquimista divulgada pela Polícia Federal nesta sexta-feira, 19, o Banco do Brasil esclarece que não foi vítima de fraude financeira, não implicando, portanto, qualquer prejuízo para o BB. Os fatos noticiados decorrem de tentativas de golpe, que foram identificados pelo próprio Banco do Brasil e notificados à Policia Federal. 

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Alquimista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.