finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Terceirização tem sido uma saída para reduzir custos

A logística virou um departamento estratégico dentro das empresas. Com as deficiências da infraestrutura brasileira, os profissionais dessa área passaram a ter a missão de criar alternativas, simples ou sofisticadas, para amenizar o impacto do custo logístico no caixa das companhias.

O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2014 | 02h04

No setor de papel e celulose, cujo gasto médio chegou a 28% das receitas, cada operação é estudada com detalhes e os produtos, customizados de acordo com as peculiaridades do setor. O diretor de Suprimentos e Logística da Fibria, Wellington Giacomin, conta que há alguns anos a empresa, que também investiu em um porto, decidiu fechar parceria para a construção de cinco navios desenhados exclusivamente para a exportação de celulose. A medida melhorou a velocidade de embarque e desembarque das cargas, que era um dos principais gargalos.

Mas, antes de chegar ao porto, a Fibria apostou em outras soluções para diminuir os custos de transporte da madeira da floresta para a fábrica. Como as plantações são distantes, dois produtos foram criados para dar mais agilidade ao transporte rodoviário e de navegação. Além de barcaças especiais, que carregam a mesma quantidade que 100 caminhões juntos, a empresa desenvolveu um projeto com a Universidade Federal de São Carlos de uma carroceria específica para o setor.

"Reduzimos o peso da carroceria e conseguimos transportar 10% mais madeira num único caminhão. Com isso, reduzimos entre 8% e 12% o custo", afirma Giacomin. Segundo ele, a logística se tornou tão essencial para a empresa como o desenvolvimento da própria fábrica. "Se não trabalharmos bem essa área, perdemos competitividade e ficamos fora do mercado."

Parte dos serviços logísticos da Fibria é terceirizada, uma tendência forte no setor produtivo. Segundo a pesquisa da Fundação Dom Cabral, 70% das empresas veem a terceirização da frota e serviços logísticos como uma das principais medidas para redução do custo de movimentação de carga. A demanda pelos serviços da JSL, empresa de transporte e logística, é um retrato dessa busca. Nos últimos 13 anos, a companhia cresceu a um ritmo de 26% ao ano.

"Quem terceiriza os serviços logísticos tem dois objetivos: reduzir custos ou ampliar a qualidade dos serviços", afirma o diretor executivo da JSL, Adriano Thiele. Segundo ele, o grande benefício das empresas nesse processo é que elas passam a focar as energias na sua atividade fim e deixam a logística com uma empresa especializada no assunto. "Numa compra de pneus, por exemplo, temos mais poder de barganha, já que temos uma frota maior."

Hoje, a JSL atende a 16 setores da economia e fatura R$ 5,2 bilhões. Para cada cliente, a empresa cria uma solução específica. No setor automobilístico, além de abastecer a linha de produção, ela já começa a entregar algumas peças montadas. / R.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.