JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Terceirizados da Arno também serão afetados

Unidade no bairro da Mooca será desativada e vagas, cortadas; são 2 mil empregados no total, dos quais 800 diretos e 1,2 mil indiretos

Márcia de Chiara, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2016 | 09h07

SÃO PAULO - O fechamento da fábrica de eletroportáteis da Arno em São Paulo, no bairro da Mooca, preocupa também trabalhadores terceirizados como Gerson Silva dos Santos, de 19 anos, solteiro e que há dois anos e meio trabalha com mensageiro na empresa. Ele é contratado pela companhia Poupe Impulse. “Gosto de trabalhar aqui, é o meu primeiro emprego”, diz Santos. Mesmo como terceirizado, ele tinha planos de continuar trabalhando numa empresa multinacional. “Agora, não sei como vai ser.”

O administrador de empresas Bruno Silva, de 26 anos, e que há seis meses trabalha na Arno como prestador da mesma empresa terceirizada de Santos, também está chateado. “Todo os trabalhadores estão preocupados com o fechamento da fábrica, tem gente para se aposentar, outros pagando aluguel. Quanto tempo vai demora para arranjar outro emprego com essa crise”, diz Silva.

Santos conta que há muitos funcionários antigos na empresa, mas, ao longo dos últimos meses, a companhia foi enxugando o quadro de pessoal.

A Arno não informa o número de trabalhadores que tem na fábrica da Mooca nem o faturamento da empresa no País.

Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres, são 2 mil empregados na unidade da capital paulista, dos quais 800 diretos e 1,2 mil indiretos.

Tudo o que sabemos sobre:
ArnoSão PauloDesempregoEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.