Marcelo Camargo/Agência Brasil - 23/4/2019
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 23/4/2019

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Tereza Cristina acredita que acordo Mercosul-UE pode ser aprovado em dois anos

“Ainda há ajustes a serem feitos, mas já caminhamos muito”, declarou a ministra da Agricultura nesta manhã; ela também comentou o desconforto com a França, que disse não estar pronta para um acordo comercial

Isadora Duarte, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2019 | 10h25

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, estima que, no máximo, em até dois anos o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia (UE) deve ser aprovado por todas as partes. "Ainda há ajustes a serem feitos, mas já caminhamos muito. Agora, o acordo precisa ser aprovado pelos quatro países do Mercosul e pelos parlamentos de 27 países da UE", disse  em entrevista à rádio CBN, na manhã desta quarta-feira, 3.

Quanto à aprovação do texto do acordo pelo Congresso brasileiro, Tereza defendeu que o governo tem de discutir com o Legislativo qual é o melhor momento para votação do documento. "A aprovação é mais complicada para a UE, que precisa de consenso entre os 27 países do bloco", observou a ministra. 

De acordo com ela, a parceria com a UE abriu o caminho para novos acordos comerciais no futuro econômico do Brasil. "Temos quatro acordos em vista, que podem ser fechados nos próximos anos: acordo com Efta (Associação Europeia de Livre Comércio), Canadá, Coreia do Sul e Cingapura".

França não está 'pronta' para acordo comercial

Tereza também comentou sobre o desconforto com a França, que declarou nesta terça não estar pronta para um acordo comercial com o Mercosul. "A França é muito protecionista, principalmente com agricultura. As críticas já eram esperadas pelos dois lados do acordo Mercosul e União Europeia (UE)", afirmou a ministra.

Tereza Cristina defendeu informações unificadas sobre as questões ambientais e afirmou que o Brasil já enfrenta pressão de ambientalistas da UE. "Quando temos dados divergentes sobre meio ambiente, acabamos favorecendo concorrentes. O Brasil enfrenta ataques porque é mais vulnerável que os EUA, que têm economia mais forte", argumentou a ministra.

Tereza não confirmou o dado divulgado nesta semana de que o desmatamento na Amazônia aumentou 60% em junho, em comparação com o mesmo mês do ano passado. A informação foi divulgada ontem pela CNN, que teve acesso a dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Segundo a matéria da CNN, ambientalistas afirmam que o número é reflexo da política ambientalista do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Ainda sobre as questões ambientais, a ministra citou o dispositivo de precaução, previsto no acordo como uma garantia para o governo brasileiro. Segundo ela, o dispositivo é restrito à discussão de base científica. "Não vão poder falar que estamos desmatando a Amazônia ou acabando com áreas indígenas sem provas. As acusações precisarão de provas científicas", explicou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.