EFE/Joédson Alves
EFE/Joédson Alves

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Tereza Cristina diz que falta de acordo entre EUA e China beneficia o Brasil

Na madrugada desta terça-feira, a ministra embarca para a Ásia, onde tentará abrir mercados para o Brasil, principalmente no setor de proteína animal

Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 14h26

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 6, em São Paulo, que, caso Estados Unidos e China não alcancem acordo, o Brasil poderá ser beneficiado. A titular da pasta foi cautelosa, porém, ao comentar a declaração do presidente norte-americano Donald Trump

No Twitter, Trump anunciou que elevará de 10% para 25% a partir desta sexta-feira, 10, as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses. Além disso, Trump ameaçou tarifar "em breve" em 25% o equivalente a US$ 325 bilhões em outros produtos da China e reclamou do andamento lento das negociações de comércio bilaterais.

"A gente precisa saber se foi só um recado duro ou se isso vai se efetivar", afirmou a ministra após participar de reunião do Conselho Superior do Agronegócio, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). "Claro que, se os Estados Unidos e a China não entrarem em acordo, e se as tarifas não voltarem ao que eram antes, realmente é uma oportunidade, uma janela de oportunidade a mais para o Brasil." 

Na madrugada desta terça-feira, 7, a ministra embarca para a Ásia, onde tentará abrir mercados para o Brasil, principalmente no setor de proteína animal. "Eu vou chegar lá em meio a toda essa negociação (China e EUA) e eu vou fazer uma leitura do que isso pode representar para o Brasil, principalmente para a soja, que é nossa grande preocupação", afirmou. O País é concorrente dos EUA na exportação de soja para a China. 

Tereza Cristina contou que na China vai dizer "que o Brasil é um grande parceiro". "Somos parceiros confiáveis, temos produtos de qualidade e volume - de soja, milho, enfim", declarou. Sobre novas habilitações de indústrias, a ministra disse que ainda não há sinalização. "Essa resposta, nós vamos trazer de lá", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.