Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tereza Cristina diz que PL de regularização fundiária dará mais controle sobre Amazônia

Ministra da Agricultura foi questionada por investidores internacionais na manhã desta quinta-feira, 9, em videoconferência

Fabrício de Castro, Julia Lindner e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2020 | 12h03

Brasília - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira, 9, que o Projeto de Lei nº 2.633, sobre regularização fundiária, dará ao Brasil maior controle sobre a região amazônica. Segundo ela, os investidores internacionais que se reuniram por videoconferência com representantes do governo brasileiro hoje queriam saber se o problema aumentaria o desmatamento.    

“Muito pelo contrário”, afirmou a ministra, durante entrevista coletiva. “Aquelas terras terão dono, e eles terão de cumprir as regras do governo. Teremos, sim, um controle maior da região”, defendeu. De acordo com a ministra, a regularização fundiária é importante não apenas para a Amazônia, mas para todo o Brasil.

Em nota à imprensa, a Vice-Presidência da República afirmou que o governo acompanha “de perto” a tramitação do PL nº 2.633 no Congresso. “Fundamental instrumento da estratégia do governo brasileiro para a Amazônia, a lei, quando aprovada, vai fortalecer a presença do Estado na região, combater a ocupação de terras e o desmatamento ilegal, viabilizar a aplicação do Código Florestal Brasileiro, permitir o acesso a políticas públicas de desenvolvimento sustentável e deve atrair investimentos verdes”, registrou o governo, na nota.

Tereza Cristina participou de entrevista coletiva a respeito da videoconferência do vice-presidente Hamilton Mourão com investidores estrangeiros na manhã desta quinta-feira. Na videoconferência, foram discutidas ações contra o desmatamento no Brasil. Entre os participantes internacionais estiveram representantes de fundos do Reino Unido, da Suécia, da Noruega, dos Países Baixos e do Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.