Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Tereza Cristina diz que PL de regularização fundiária dará mais controle sobre Amazônia

Ministra da Agricultura foi questionada por investidores internacionais na manhã desta quinta-feira, 9, em videoconferência

Fabrício de Castro, Julia Lindner e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2020 | 12h03

Brasília - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira, 9, que o Projeto de Lei nº 2.633, sobre regularização fundiária, dará ao Brasil maior controle sobre a região amazônica. Segundo ela, os investidores internacionais que se reuniram por videoconferência com representantes do governo brasileiro hoje queriam saber se o problema aumentaria o desmatamento.    

“Muito pelo contrário”, afirmou a ministra, durante entrevista coletiva. “Aquelas terras terão dono, e eles terão de cumprir as regras do governo. Teremos, sim, um controle maior da região”, defendeu. De acordo com a ministra, a regularização fundiária é importante não apenas para a Amazônia, mas para todo o Brasil.

Em nota à imprensa, a Vice-Presidência da República afirmou que o governo acompanha “de perto” a tramitação do PL nº 2.633 no Congresso. “Fundamental instrumento da estratégia do governo brasileiro para a Amazônia, a lei, quando aprovada, vai fortalecer a presença do Estado na região, combater a ocupação de terras e o desmatamento ilegal, viabilizar a aplicação do Código Florestal Brasileiro, permitir o acesso a políticas públicas de desenvolvimento sustentável e deve atrair investimentos verdes”, registrou o governo, na nota.

Tereza Cristina participou de entrevista coletiva a respeito da videoconferência do vice-presidente Hamilton Mourão com investidores estrangeiros na manhã desta quinta-feira. Na videoconferência, foram discutidas ações contra o desmatamento no Brasil. Entre os participantes internacionais estiveram representantes de fundos do Reino Unido, da Suécia, da Noruega, dos Países Baixos e do Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.